Lançamento do livro Remanescentes da Mata Atlântica – As Grandes Árvores da Floresta Original e Seus Vestígios, de Ricardo Cardim

Com grande alegria convidamos todos que gostam de natureza, árvores e da Mata Atlântica ao lançamento do nosso livro no próximo dia 27 às 19 horas no Museu da Casa Brasileira em São Paulo.

livro remanescentes da mata atlantica ricardo cardim museu da casa brasileira

 

APROVEITE PARA ADQUIRIR O LIVRO COM 20% DE DESCONTO ATÉ O LANÇAMENTO, e retirar sem custo no dia. O livro apresenta 344 páginas em grande formato a cores e mais de 500 fotografias modernas e antigas da floresta e suas grandes árvores. Clique no link abaixo para comprar:

 

https://olhares.store/produto/remanescentes/

 

Ricardo Cardim livro remanescentes da mata atlantica

Release oficial:

O Museu da Casa Brasileira, em parceria com a Editora Olhares, lançará o livro “Remanescentes da Mata Atlântica – As Grandes Árvores da Floresta Original e Seus Vestígios”, de autoria do botânico e paisagista Ricardo Cardim, no dia 27 de novembro, com entrada gratuita.

A publicação, que deriva da exposição Remanescentes da Mata Atlântica & Acervo MCB, apresenta uma história visual desde fotografias e desenhos dos séculos passados da floresta primitiva original, registros do processo de desmatamento, vestígios materiais (como móveis antigos), construções e ferramentas, até o que restou do bioma atualmente.

Para complementação do conteúdo a ser apresentado, expedições a diferentes pontos da Mata Atlântica, em busca dos últimos espécimes de grande porte, ocorreram no período de julho a setembro nos estados de SC, PR, SP, ES, BA e AL. Além de Ricardo Cardim, participaram o fotógrafo Cassio Vasconcellos e o botânico Luciano Zandoná. Os registros desta empreitada, produzidos também com uso de drone, estarão presentes no livro.

A ideia é lançar uma semente para um futuro museu da Mata Atlântica, uma provocação para que comecemos a formar um necessário e inédito acervo que conte a história de nossa floresta para esta e as futuras gerações”, adianta o autor.

Os patrocinadores do livro são a Fibria, Reservas Votorantim, Viveiro Fábrica de Árvores, Avenues School São Paulo e Café Orfeu. Não foi utilizado nenhum tipo de isenção fiscal.

Anúncios
Publicado em árvores, árvores antigas, árvores nativas, floresta de bolso, Mata Atlântica, meio ambiente, paisagismo, paisagismo São Paulo, paisagismo sustentável | Marcado com , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Convido todos os amigos das árvores a nos acompanharem agora pelo Instagram ricardo__cardim

O nosso blog Árvores de São Paulo migrou para o Instagram, com mais conteúdo e dinamismo.

https://www.instagram.com/ricardo__cardim/

Por favor no acompanhe pela conta:

ricardo__cardim

Espero vocês lá!!

 

Abraços

 

Ricardo

 

Publicado em amigos das árvores de São Paulo, Árvores de São Paulo, árvore urbana, árvores, árvores antigas, árvores brasileiras, árvores caídas, árvores indicadas São Paulo, árvores nativas, florestas de bolso, meio ambiente urbano, meio ambiente urbano em São Paulo | Deixe um comentário

Nesse sábado vamos juntos plantar o novo Largo das Araucárias em Pinheiros!

 

Para fechar o ano de 2017 convidamos quem gosta de árvore para um plantio muito significativo para a cidade de São Paulo, o novo Largo das Araucárias, no bairro de Pinheiros, resgatando uma dívida secular com a espécie que batizou o local.

Significativo porque essa será a floresta de bolso que mais modificará uma paisagem urbana. O projeto começou em maio desse ano, quando após plantarmos o “Bosque da Batata” percebemos um terreno todo cercado por tapumes velhos pixados e cercados de lixo no meio das ruas, como que “invisível ” a todos que ali passavam. Uma área grande, com cerca de 600 m² com um portão trancado a cadeado e muito lixo dentro. No meio, três antigos pilares de um posto de gasolina, com o seu piso e estruturas.

IMG_6907

O local todo cercado, “invisível”

IMG_6893

Dentro, muito lixo e restos de um posto de gasolina

Após conversa com a Subprefeitura de Pinheiros foi descoberto que o terreno era público, estava descontaminado segundo os orgãos competentes e era sobra das obras de remodelação do bairro anos atrás. Com o apoio de um doador privado para a execução de todo o projeto, começamos em outubro um intenso trabalho para transformar aquele espaço degradado. Uma empresa especializada em desmobilização de postos de gasolina começou a quebrar o piso de concreto e retirar os antigos tanques de combustível. Saíram toneladas de lixo e entulho.

IMG_7814

O piso e estruturas do posto já limpos. Atrás, a nossa floresta de bolso do “Bosque da Batata” plantada em maio último.

IMG_8228

A máquina removendo toneladas de concreto sobre o solo, um recomeço

No meio da terra encontramos novamente a belíssima e fértil terra preta das antigas margens do Rio Pinheiros, sepultada há 200 anos!

IMG_0174

Sob um metro de aterros humanos aparece uma preciosidade!

Em novembro, começaram os jardins de chuva de projeto de Guilherme Castagna que receberão mudas de plantas ornamentais da Mata Atlântica. Hamilton Cezar, paisagista sustentável, também começou a plantar um trecho com plantas dos antigos e raríssimos cerrados da cidade de São Paulo os “Campos de Piratininga” transplantadas de terrenos em desmatamento próximos em Embu, e as calçadas, que estavam completamente degradadas e foram substituídas por novas plenamente acessíveis, homogêneas e muito duráveis. Obra do urbanista Sérgio Reis.

Agora é todos juntos nesse sábado plantarmos um paisagismo com Mata Atlântica, Floresta de Bolso e muitas araucárias, para mostrar que é possível transformar um posto de gasolina abandonado em uma nova área verde e de lazer para a cidade – e que também uma nova cidade é possível. Esse projeto será uma praça,  com acessos em paralelepípedos e bancos para a multidão que ali passa diariamente descansar e contemplar a natureza.  Leve as crianças, a família, amigos!! Todos convidados para plantar juntos!!

Informações:

Dia: 16 de dezembro de 2017, sábado.

Hora: 10 horas da manhã

Local: Rua Pais Leme com Rua Padre Carvalho, Pinheiros, atrás da Igreja de Pinheiros. Fácil acesso por bicicleta, metro e onibus.

Parceiros:

Ricardo Cardim – Floresta de Bolso

Nik Sabey – Novas Árvores Por Aí

Sérgio Reis – Urbanista

Mudas de árvores e paisagismo: Viveiro Legado das Águas Votorantim (plantas ornamentais), Viveiro Fábrica de Árvores (arborização) e  Brasilensis Paisagismo Ecológico (plantas do cerrado).

Apoio institucional: Subprefeitura de Pinheiros.

Publicado em amigos das árvores de São Paulo, Araucaria, arborização urbana, Árvores de São Paulo, árvores, árvores brasileiras, bairro de Pinheiros, floresta de bolso, florestas de bolso, História de São Paulo, Mata Atlântica, paisagismo São Paulo, paisagismo sustentável, parques de são paulo | Marcado com , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Nesse sábado 23, às 10 hs, tem floresta de bolso em plantio coletivo, todos convidados!! Verdejando 2017

A imagem pode conter: uma ou mais pessoas, pessoas em pé, criança e atividades ao ar livre

Enfim chegou a hora! Vamos plantar uma Mata Atlântica em um local especial, o árido Parque da Juventude, na Zona Norte de São Paulo, a 1° da região.  Levem a família, principalmente as crianças, para plantar árvores raras como a araucária, cambuci, peroba e jequitibá. A terra será toda super preparada e enriquecida, para as 600 árvores crescerem bem fortes.

Porque esse local é especial?

Até 2002, ali funcionou o presídio do Carandiru, com 8.000 presos, um local de verdadeiro drama humano, que a nova floresta de Mata Atlântica ajudará a recuperar e “curar” esse solo.

Imagem relacionada

O local até 2002

Resultado de imagem para parque da juventude

O mesmo local hoje. Do lado esquerdo da foto, será a nova floresta de bolso, trocando um gramado agressivo e seco pela biodiversidade

 

CONFIRME SUA IDA NA PÁGINA DO EVENTO:

https://www.facebook.com/events/118427778843281/

INFORMAÇÕES:

Local: Em frente a biblioteca, na Avenida Cruzeiro do Sul, fora da cerca do parque.
Endereço: Av. Cruzeiro do Sul, 2630 – Carandiru, São Paulo – SP, 02030-100

Horário: A partir das 10 hs.

Data: Sábado, 23 de setembro de 2017
COMO CHEGAR?
Melhor meio é de metrô, descendo na frente, na Estação Carandiru.
De carro, tem estacionamento pago com 228 vagas pela entrada da Av. Cruzeiro do Sul. R$ 5,00.
Aguardamos vocês!
floresta-de-bolso-ricardo-cardim-20
Publicado em árvores, floresta de bolso, florestas de bolso, verdejando globo | Marcado com , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Amargo é o remédio. Porque defendo retirar as palmeiras invasoras do Parque Trianon

“Amargo é o remédio, mas é ele quem vai salvar o doente”. O doente, nesse caso, é o querido Parque Trianon ou Siqueira Campos, na Avenida Paulista. Pedacinho da antiga mata do Caaguaçú, ou “mata grande” em tupi, constitui o último trecho de Mata Atlântica original na região central da metrópole. Até dois séculos atrás fazia parte de uma extensa floresta, com antas, onças, macacos, cervos, catetos e muitos outros vivendo juntos a enormes jequitibás, perobas, cambucis, no ponto mais alto da então cidadela de São Paulo. Formavam um ecossistema equilibrado, interdependente, com o jatobá contando que a anta comesse seus frutos para quebrar no seu estômago a dormência das sementes e germinar uma nova árvore. Pouco antes de virar Avenida Paulista, seu antigo dono Paim Vieira, da Chácara do Capão, escreveu: “Era uma imensa floresta, povoada por abundante fauna“.

Quando a cidade derrubou a floresta, expulsou seus bichos, e deixou somente um vestígio do Caaguaçu. Rapidamente se pôs a modificar sua natureza, trazendo paisagistas europeus que plantaram espécies estrangeiras em moda na Europa para combinar com a arquitetura das casas, copiadas das cidades do outro lado do oceano. Assim também foi feito com os jardins das casas, e uma paisagem européia surgiu onde pouco tempo antes foi o berço da Mata Atlântica paulistana.

Resultado de imagem para foto antiga paulista

Em pouco tempo, a “mata grande” dos índios cedeu lugar a pinheiros e plantas européias, criando uma paisagem que poderia estar em Berlim, Paris ou Londres. No fundo, o Trianon.

Com a cidade virando metrópole no século passado, poucos atentaram para a Mata Atlântica do Trianon. Os olhares estavam no progresso, nos carros, nos edifícios. Enquanto isso, não havia mais nenhum bicho para plantar as sementes de jatobá, de palmito jussara, e de tantas outras que foram sumindo, e nem eles podiam alcançar a floresta trazendo novas sementes dos arredores. Os ventos agora canalizados por construções, derrubavam as mais antigas e altas árvores. Eucaliptos australianos tiravam o sol das plantas nativas, enquanto as ornamentais exóticas, o espaço. O ar ficava cada vez mais seco. Os últimos pássaros e pequenos mamíferos não adaptados a cidade, eram caçados e mortos por gatos e cães domésticos.

TRIANON

Nessa foto do Botânico Hoehne do começo do século, ainda era possível ver plantas hoje desaparecidas, como o samambaiaçu, à esquerda

Inviabilizado como pequeno fragmento de mata tropical, seu ecossistema foi gradativamente e silenciosamente se deteriorando. Para o visitante amigo da natureza, estava tudo bem, a mata continuava com suas árvores e arbustos, e agora mais bonita, “civilizada” pelo paisagismo da moda.

Assim, sumiram os pássaros restritos a Mata Atlântica e entraram os generalistas, aqueles que conseguem viver nas hostis condições urbanas e se alimentam de muitas coisas diferentes. Ao mesmo tempo, nos jardins sofisticados da cidade uma palmeira de origem australiana entra na moda e participa dos mais sofisticados jardins, a seafórtia (Archontophoenix cunninghamii). Não se sabia na época que era uma  espécie invasora, e nem que isso existia.

seafórtia - arvores de são paulo - ricardo cardim

A palmeira australiana seafórtia no Vale do Anhangabaú no começo do século XX.

Nos anos 1990, o Parque Trianon, dormitório dos pássaros generalistas, está com o seu solo forrado de sementes e mudas da palmeira seafórtia, que sem inimigos naturais, um clima mais propício que sua terra natal, e com amplos espaços livres dentro da floresta deixados pelas espécies que sucumbiram ou foram cortadas, se desenvolve rapidamente. Em poucos anos alcançam porte e formam uma densa copa, que sombreia a mata abaixo. As mudas das árvores nativas ainda sobreviventes a todas essas agressões lutam para resistir a competição por água, luz e nutrientes com o “tapete” de palmeiras australianas que vai se formando e ocupando progressivamente o espaço que já foi dos palmitos-jussara, ingás, angicos e muitos outros. Para os usuários desavisados, aquele denso palmeiral esbelto, de sombrio verde-escuro, vigoroso e cada vez mais denso significa a pujança da mata tropical, e um motivo de deleite. Na primeira década do milênio, a palmeira seafórtia torna-se a senhora do sub bosque do Trianon.

parque trianon - palmeiras invasoras - foto de ricardo cardim

De Mata Atlântica biodiversa a palmeiral exótico. No meio, um eucalipto australiano.

Nesse momento o fragmento do Caaguaçu vira um doente terminal. Sua Mata Atlântica não resiste mais ao histórico de um século de agressões, descasos e isolamento. Em cada verão, caem árvores seculares que não conseguiram deixar descendentes. Ano passado foi um enorme jequitibá-branco na cerca da Al. Casa Branca. O sub bosque, cada vez mais pobre pelo excesso de sombra das seafórtias e falta de novas sementes, vira apenas um tapete de folhas com plantas comuns de paisagismo.

Se nada for feito, e as palmeiras exóticas não forem removidas rapidamente, como é feito em muitos lugares do mundo onde a sociedade e técnicos se mobilizam pela preservação de seus “museus vivos” da natureza ancestral, nossos filhos e netos terão apenas uma floresta de palmeiras australianas. Sem Mata Atlântica. Sem jequitibás e perobas. Não é previsão alarmista, isso ocorreu na Mata Atlântica da USP da Cidade Universitária, veja a foto de satélite abaixo:

parque trianon - palmeiras invasoras invadindo a USP - foto de ricardo cardim

A mancha de palmeiras na região central se espalha, como um tumor, na Mata Atlântica. Reparem que no meio da mancha, não existe mais nenhuma copa de árvore, só a seafórtia australiana. Esse é o destino do Parque Trianon se nada for feito.

Como tirar as palmeiras?

Quando em 2010 se cogitou remover as seafórtias da reserva de Mata Atlântica da Cidade Universitária da USP ocorreu uma breve polêmica e reações emocionais entre as pessoas menos informadas, e isso estimulou diversas pesquisas de cientistas do Instituto de Biociências para comprovar o extenso dano que estava ocorrendo para a sobrevivência da floresta nativa. Assim,  com os claros resultados obtidos, o governo removeu  todas as palmeiras seafórtias adultas em 2011 e as substituíram por 120 espécies nativas. Como aluno de mestrado no local na época, testemunhei todo o processo e vi a Mata Atlântica renascer sem as palmeiras invasoras, voltando a receber sol no interior da mata e despertar seu banco de sementes, brotando muitas espécies nativas antes “afogadas” pela invasão. Passados 6 anos, ver a mata da USP hoje é muito diferente. É uma Mata Atlântica típica, mais saudável, em sua dinâmica e perpetuação natural.

usp - remoção das palmeiras invasoras

Remoção da palmeira invasora, com dano mínimo ao ecossistema e plantio de mudas nativas em 2011 na USP

Outro aspecto importante é que a fauna não passará fome sem a seafórtia, pesquisadores descobriram que seus frutos são praticamente nulos de elementos nutritivos. Ela apenas “engana” o pássaro generalista com sua cor vermelho vibrante.

No Trianon, a troca da palmeira invasora australiana será por plantas que ocorriam na região séculos atrás, como o palmito-jussara (Euterpe edulis), palmeira nativa e ameaçada de extinção da nossa Mata Atlântica que séculos atrás foi muito abundante nessa floresta – e os pássaros adoram. Para isso, uma verdadeira “operação cirúrgica” será realizada junto a profissionais e pesquisadores, extraindo cuidadosamente as palmeiras invasoras e as substituindo por espécies nativas mantendo ao máximo a integridade da floresta. Embora as seafórtias sejam bonitas, lhes asseguro que a Mata Atlântica bem preservada vence de forma disparada em beleza e encanto aos olhos. E mais, o Trianon não é nosso. É de nossos filhos e netos, e devemos passá-los a eles como o testemunho de Mata Atlântica que é. Por isso é que desde 2014 junto com a ONG S.O.S. Mata Atlântica trabalho e estou como consultor para essa medida e restauração do parque. Em 2008 fiz um artigo sobre o problema: https://arvoresdesaopaulo.wordpress.com/2008/07/07/seafortia/

Esse “amargo remédio” nos faz lembrar que a responsabilidade de tudo isso é nossa. Da arrogância humana de achar que pode “embelezar” uma floresta que demorou milênios para se formar, com toda uma fauna e flora interdependentes. Que pode trazer plantas e bichos de longe por mero capricho ou status em jardins sem ter consequências terríveis. A invasão biológica é tema tão sério, que hoje é considerada a segunda maior causa da perda de biodiversidade no planeta, só perdendo para a destruição direta dos habitats, causada por instrumentos como fogo e tratores.

Ricardo Cardim

Para saber mais, seguem bibliografias para consulta sobre o tema com o respectivo link:

1.IABIN- Inter American Biodiversity Information Network. I3N – Invasives Information Network:

http://i3n.institutohorus.org.br/www/

2. 100 of the world’s worst invasive alien species: a selection from the global invasive species database. S Lowe, M Browne, S Boudjelas, M De Poorter – 2000 – academia.edu

https://scholar.google.com.br/scholar?q=invasive+species+un&btnG=&hl=pt-BR&as_sdt=0%2C5

3. Os processos de degradação ambiental originados por plantas exóticas invasoras. Revista Ciência Hoje, São Paulo, 2001

http://institutohorus.org.br/download/artigos/Ciencia%20Hoje.pdf

4. Williamson, M. 1996. Biological Invasions. London. Chapman & Hall:

https://books.google.com.br/books?hl=pt-BR&lr=&id=eWUdzI6j3V8C&oi=fnd&pg=PR11&dq=williamson+1996+invasions&ots=azEhGeytbv&sig=B2DUKnhPhSJ8eb2H_aXWNyecVsM#v=onepage&q=williamson%201996%20invasions&f=false

5. Projeto de Preservação do fragmento de Mata Atlântica da Universidade de São Paulo (USP) para remoção das palmeiras invasoras. Instituto de Biociências, disponível em:

http://www.ib.usp.br/manejo-de-palmeiras.html

6. Phenology and fruit traits of Archontophoenix cunninghamiana, an invasive palm tree in the Atlantic forest of Brazil. Ana Luisa Mengardo & Vânia Regina Pivello. Disponível em:

http://www.soctropecol.eu/PDF/Ecotropica_2012/Mengardo_2012_Ecotropica_18_1.pdf

7. Subsídios para o manejo da invasão biológica de uma palmeira em áreas de Mata Atlântica. ALT Mengardo. Mestrado USP, 2011.

http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/41/41134/tde-09122011-131538/en.php

8. Fecundidade, dispersão e predação de sementes de Archontophoenix cunninghamiana H. Wendl. & Drude, uma palmeira invasora da Mata Atlântica. AV Christianini. Revista Brasileira de Botânica, 2006 – SciELO Brasil.

http://www.scielo.br/pdf/%0D/rbb/v29n4/07.pdf

9. A invasão de um fragmento florestal em São Paulo (SP) pela palmeira australiana Archontophoenix cunninghamiana H. Wendl. & Drude. RICARDO DISLICH, NABOR KISSER e VÂNIA R. PIVELLO. Rev. bras. Bot. vol.25 no.1 São Paulo Mar. 2002.

http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-84042002000100008

10. The effects of an exotic palm on a native palm during the first demographic stages: contributions to ecological management. Ana Luisa T. Mengardo ; Vânia R. Pivello. Acta Bot. Bras. vol.28 no.4 Belo Horizonte Oct./Dec. 2014.

http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-33062014000400009

11. Comparing the establishment of an invasive and an endemic palm species in the Atlantic rainforest. MENGARDO, A. L. ; FIGUEIREDO, C. L. ; TAMBOSI, Leandro Reverberi ; PIVELLO, V. R. Plant Ecology & Diversity (Print), v. 5, p. 345-354, 2012.

http://www.tandfonline.com/doi/abs/10.1080/17550874.2012.735271

12. O impacto das plantas invasoras nos recursos naturais de ambientes terrestres: alguns casos brasileiros. DMS Matos, VR Pivello – Ciência e Cultura, 2009 – cienciaecultura.bvs.br

http://cienciaecultura.bvs.br/scielo.php?pid=S0009-67252009000100012&script=sci_arttext

13. Tree structure and species composition changes in an urban tropical forest fragment (São Paulo, Brazil) during a five year interval. DISLICH, Ricardo ; PIVELLO, V. Boletim de Botânica da Universidade de São Paulo, v. 20, p. 1-10, 2002.

http://www.jstor.org/stable/42871514

 

Publicado em arborização urbana, Árvores de São Paulo, árvores, Biodiversidade paulistana, destruição do verde em São Paulo, espécies invasoras, meio ambiente, meio ambiente urbano, meio ambiente urbano em São Paulo, sustentabilidade urbana | Marcado com , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Grama esmeralda, a inimiga das árvores

 

arvores de são paulo - ricardo cardim

Cena comum onde existe grama esmeralda nas praças paulistanas: muitas árvores estagnadas, enfezadas e aneladas.

Nas praças, parques e canteiros das cidades é comum ver mudas de árvores enfezadas, raquíticas, com algumas folhas e aspecto de sofrimento. Embaixo dela, uma densa e vigorosa cobertura da grama-esmeralda (Zoysia japonica), uma espécie de grama chinesa e japonesa difundida a partir dos anos 1970 e que é a mais popular atualmente.

Nossa experiência tem mostrado uma clara correlação entre as duas situações. A grama esmeralda é uma forração muito agressiva, de sistema radicular fibroso, amplo, formando uma verdadeira camada de vedação ao solo, com cerca de 15 a 20 cm de biomassa. Muito eficiente na captação de água e nutrientes, essa grama praticamente rouba a nutrição e hidratação das mudas de árvores na camada superficial do solo, deixando-a em estado de inanição, e não a deixando ganhar força para suas raízes alcançarem camadas mais profundas, que a fariam crescer e escapar da concorrência do gramado.

arvores de são paulo 2 grama esmeralda ricardo cardim

Além da fibrosa e densa biomassa competindo com a muda, o quase inevitável “anelamento” pela roçadeira

Associado a isso, ainda existe um efeito colateral, o corte do gramado com roçadeira que invariavelmente arranca a casca do tronco da muda em forma de anel (anelamento) e a sufoca, matando-a ou a enfezando mais. Alguns preferem fazer a remoção da grama em volta com enxada, uma atitude péssima para a muda de árvore, já que arranca e lesa suas raízes superficiais, as mais importantes para a nutrição da jovem árvore, além de ressecar o solo ainda mais pela sua total exposição.

Se vai plantar árvores e quer vê-las crescer saudáveis, fuja da grama esmeralda. Embaixo da árvore vão bem forrações como vedélia, grama amendoim, lantanas e outras. Se quiser gramado, tem espécies que aparentemente competem menos com as árvores, como a batatais e a são carlos, ambas nativas.

Ricardo Cardim

Publicado em arborização urbana, Árvores de São Paulo, árvore urbana, árvores, árvores indicadas São Paulo, árvores nativas, árvores ornamentais, árvores para calçadas São Paulo, árvores para plantar, cuidados com as árvores, curiosidades do verde paulistano, floresta de bolso, florestas de bolso, meio ambiente, meio ambiente urbano, mudas de árvores nativas, paisagismo, paisagismo São Paulo, paisagismo sustentável | Marcado com , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

As 3 espécies de árvores mais plantadas hoje na cidade de São Paulo são exóticas

Até a virada do século, a cidade de São Paulo plantava muitas espécies de árvores estrangeiras nas suas ruas e praças, como a tipuana, árvore-da-china e resedá. Isso mudou, e com o adventos dos manuais de arborização da prefeitura uma nova lista surgiu repleta de espécies nativas do Brasil e algumas nativas regionais, o que foi ótimo para a sustentabilidade ecológica da metrópole. Entretanto, mesmo com a dezenas de espécies da Mata Atlântica local disponíveis na lista oficial e atualmente muito raras na arborização urbana, as espécies de novas árvores que vemos sendo plantadas nas ruas são sempre as mesmas três. Até hoje. Trata-se da sibipiruna, do pau-ferro e mirindiba. Observar atentamente as árvores jovens e mudas plantadas em paisagismo privado, compensações ambientais e arborização é só achar elas, o que é péssimo para a biodiversidade em uma cidade que tem mais de 300 espécies de árvores nativas no seu território e a árvore-símbolo é o cambuci, que aliás está quase extinta por aqui, com pouco menos de 10 exemplares adultos na malha urbana. Detalhe importante: a sibipiruna, o pau-ferro e a mirindiba são exóticas na cidade de São Paulo, de formações vegetais do Rio de Janeiro para cima. Planta não reconhece fronteiras políticas, mas ambientais, e planta nativa é aquela que existia originalmente na região, regional, assim, essas três espécies são tão exóticas na cidade como a boliviana tipuana (Tipuana tipu).

  1. Sibipiruna (Poincianella pluviosa  L.P.Queiroz)

sibipiruna - distribuição no Brasil - Árvores de São Paulo - Ricardo Cardim _

Resultado de imagem para sibipiruna

2. mirindiba (Lafoensia glyptocarpa Koehne)

mirindiba - distribuição no Brasil - Árvores de São Paulo - Ricardo Cardim

Resultado de imagem para mirindiba

3. pau-ferro (Libidibia ferrea  L.P.Queiroz)

pau-ferro - distribuição no Brasil - Árvores de São Paulo - Ricardo Cardim

 

Resultado de imagem para pau ferro

 

Bibliografia:

Reflora – Flora do Brasil 2020 – Jardim Botânico do Rio de Janeiro:

http://reflora.jbrj.gov.br/reflora/listaBrasil/ConsultaPublicaUC/ResultadoDaConsultaNovaConsulta.do#CondicaoTaxonCP

Inventário da Biodiversidade do Município de São Paulo 2016:

http://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/upload/pubbiodiversidademunsp2016.pdf

 

Ricardo Cardim

Publicado em amigos das árvores de São Paulo, arborização urbana, Árvores de São Paulo, árvore urbana, árvores, árvores brasileiras, árvores do Rio de Janeiro, árvores indicadas São Paulo, árvores nativas, árvores ornamentais, árvores para calçadas São Paulo, árvores para plantar, Botânica, Mata Atlântica, meio ambiente, meio ambiente urbano, meio ambiente urbano em São Paulo, mudas de árvores nativas, projetos de paisagismo | Marcado com , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário