A árvore mais antiga de São Paulo terá leilão no Design Weekend para projeto de restauração e clonagem

Um projeto nosso junto ao Designer Hugo França e Lauro Andrade, do Design Weekend, pretende ajudar na sobrevivência da história e importância ambiental da “Figueira-das-Lágrimas”, um exemplar da Mata Atlântica (Ficus organensis) com provavelmente mais de dois séculos de existência, e que já foi tema de diferentes artigos no blog.

Peça do Designer Hugo França que será leiloada em prol da árvore

Peça do Designer Hugo França que será leiloada em prol da árvore

O “Lágrimas de Alegria” tem o objetivo de clonar o exemplar em fim de vida – nossa participação – e formar mudas para serem plantadas em outros parques da cidade de São Paulo, de forma a passar para as próximas gerações sua história e genética, que tem origem possivelmente no final dos anos 1700, e que em 1861 era relatada como a “árvore das despedidas saudosas”, o local onde os paulistanos se despediam dos entes queridos que iriam viajar para o Porto de Santos, daí o apelido “das lágrimas”.

Outras ações como a restauração da estrutura em volta da árvore original, nova placa com dados corretos, capacitação de guias turísticos na região e educação ambiental nas escolas paulistanas também estão previstos, e serão possíveis graças a doação da peça de Hugo França que será leiloada com o apoio do Design Weekend, que está no Jockey Clube SP até o dia 15 às 19 hs para obtenção dos recursos.

Para saber mais acesse a matéria do SPTV:

http://globotv.globo.com/rede-globo/sptv-1a-edicao/t/edicoes/v/artistas-desenvolvem-projeto-para-ajudar-a-salvar-a-figueira-das-lagrimas/4390284/

Ricardo Cardim

Publicado em arborização urbana, Árvores de São Paulo, árvores, árvores antigas, árvores brasileiras, curiosidades do verde paulistano, guia de árvores em São Paulo, História de São Paulo, Mata Atlântica, meio ambiente, meio ambiente urbano, meio ambiente urbano em São Paulo | Marcado com , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

A música das sibipirunas em agosto

Na Rua do Matão, na Cidade Universitária, é um bom lugar para "ouvir" a sibipiruna

Na Rua do Matão, na Cidade Universitária, é um bom lugar para “ouvir” a sibipiruna

Nas ruas de São Paulo bem arborizadas, uma árvore da Mata Atlântica do Norte é comum, a sibipiruna (Caesalpinia pluviosa). Essa espécie de leguminosa produz um fruto(legume) parecido com uma vagem de consistência rígida (lenhosa) que contém em seu interior algumas sementes arredondadas do tamanho de uma moeda de um real.

Os frutos e sementes da sibipiruna. Crédito: Apremavi

Quando chega a época de seca na cidade de São Paulo, de dias ensolarados e céu límpido, um observador atento embaixo das sibipirunas percebe alguns fortes estalos vindos da copa. Esse som rápido e alto, é seguido pelo impacto de um grupo de sementes  no asfalto. Tal “sinfonia” nas ruas mais sossegadas do Jardim América, Pacaembú e Cidade Universitária é facilmente percebida.

A causa é o mecanismo de dispersão da sibipiruna, que ao abrir a “vagem”, a faz com violência e gera um impulso para lançar as sementes longe da árvore-mãe, em uma verdadeira estratégia explosiva.

Grupo de sibipirunas na Zona Oeste

Ricardo Cardim

Publicado em arborização urbana, Árvores de São Paulo, árvores, curiosidades do verde paulistano, meio ambiente urbano, meio ambiente urbano em São Paulo, ruas arborizadas, São Paulo | Marcado com , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Colabore para um novo telhado verde com horta em São Paulo – Pé de Feijão e SkyGarden

Nosso telhado verde com horta na Zona Oeste de São Paulo completa hoje 60 dias. Nesse período já colhemos alface, rúcula, cebolinha, beterraba, morangos e tomates. Impressionante observar como a vegetação se desenvolve bem mesmo no meio da metrópole e no alto, e como o ciclo dos alimentos – muda, flor, fruto, colheita – pode voltar a participar facilmente de nossas vidas.

Essa primeira horta no alto é o resultado da parceria da SkyGarden Telhados e Paredes Verdes com o Negócio Social Yunus Pé-de-Feijão, que trabalha pela produção agrícola nos telhados paulistanos e uma melhor nutrição e educação alimentar e ambiental para a população.

telhado verde com horta skygarden www.skygarden.com.br.jpg4

telhado verde com abelhas na horta skygarden www.skygarden.com.br

As abelhas, inclusive as nativas, já são frequentadoras assíduas da laje que antes era da perigosa telha de amianto.

telhado verde com horta skygarden www.skygarden.com.br

Uma borboleta entre os morangos e repolhos. A horta não é só dos humanos…

telhado verde horta em São Paulo - www.skygarden.com.br

Com a colheita do dia: beterrabas. Ao lado os repolhos, que nos impressionaram pela exuberância em tão pouco tempo.

A Pé-de-Feijão começou uma campanha de financiamento colaborativo para um novo projeto de horta na cobertura de 80 m² do espaço chamado Fábrica de Criatividade, um prédio de 3 andares no Capão Redondo, Zona Sul, que abriga um centro de inovação e oferece, a preços acessíveis, aulas de danças urbanas, teatro, inglês, música, entre outras, com uma circulação de 800 pessoas todos os meses.

A equipe do Pé de Feijão, junto com parceiros, terá o papel de:

  1. Desenhar e implantar a horta e espaço de convivência na laje;
  2. Elaborar, organizar e facilitar dinâmicas de grupo na horta para o público da Fábrica de Criatividade;
  3. Medir e compartilhar o impacto social e ambiental das atividades durante todo nosso ciclo de trabalho.

 

PARA APOIAR ESSA MUDANÇA TÃO NECESSÁRIA, ACESSE:

https://beta.benfeitoria.com/pedefeijao

http://pedefeijaosp.com/

Muito obrigado!!!

Ricardo Cardim

Publicado em árvores, green building, meio ambiente, meio ambiente urbano, meio ambiente urbano em São Paulo, Skygarden, sustentabilidade urbana, telhado verde, telhados verdes, verticalização de São Paulo | Marcado com , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | 1 Comentário

Lei de uso e ocupação de solo de São Paulo perpetua erro ambiental histórico

Uma tragédia para as raras áreas verdes sobreviventes da cidade de São Paulo. Assim pode ser caracterizada a legislação de uso e ocupação do solo apresentada recentemente à Câmara Municipal pelo prefeito Fernando Haddad. Com o objetivo de construir mais creches sem ter que adquirir novos terrenos, o prefeito pode ocupar e eliminar áreas verdes públicas e espaços livres da metrópole, incluindo unidades de conservação integral, parques urbanos e lineares, praças e até áreas de preservação permanente, como as matas “produtoras e protetoras de água” nas beiras de represas e rios.

Tal postura inaceitável repete os erros típicos do século passado na metrópole, de justificar o sacrifico das já escassas áreas verdes públicas, que garantem a qualidade de vida, saúde pública e a biodiversidade para a população, por um motivo também nobre (hospitais, escolas, creches). Esses equipamentos públicos devem coexistir com o verde nas comunidades e nunca se contraporem.

Na cidade de São Paulo são inúmeros os exemplos de bairros e regiões que perderam suas praças e parques para ações realizadas por gestões públicas irresponsáveis e populistas. O resultado é sentido fisicamente e psicologicamente por todos que vivem o cotidiano insalubre da metrópole com apenas 2,6 m² de áreas verdes por habitante e que em alguns bairros chega a míseros cm². Abaixo um exemplo típico, na região central.

O antigo Largo Conde de Sarzedas na região central em 1944. Ainda um espaço verde de encontro e brincadeiras da comunidade do Glicério, na região central.

O antigo Largo Conde de Sarzedas na região central em 1944. Ainda um espaço verde de encontro e brincadeiras da comunidade do Glicério.

Atualmente uma escola pública

Sacrificado para uma escola pública em uma região completamente árida atualmente. Porque a escola não foi construída desapropriando outros terrenos construídos?

Matéria na íntegra:

http://sao-paulo.estadao.com.br/noticias/geral,governo-haddad-cobra-cota-verde-mas-fica-isento,1699288

Ricardo Cardim

Publicado em amigos das árvores de São Paulo, árvores nativas, Biodiversidade paulistana, campos cerrados em São Paulo, curiosidades do verde paulistano, destruição do verde em São Paulo, História de São Paulo, meio ambiente, meio ambiente urbano, nascentes de água São Paulo, São Paulo, verticalização de São Paulo | Marcado com , , , , , , , , , , , , , | 3 Comentários

Conheça 5 telhados verdes modernos na cidade de São Paulo

Enquanto cidades como Copenhague, Toronto e Berlim estão mudando a cara de seus telhados com jardins e hortas, o Brasil ainda está começando. O telhado verde transforma áreas problemáticas urbanas em soluções para maior qualidade de vida, abrigo da biodiversidade, lazer e cultivo de alimentos. Conheça agora cinco telhados verdes que realizamos na metrópole paulistana nos últimos anos:

1. Telhado verde na Avenida Faria Lima com espécies da Mata Atlântica.


SkyGarden Telhados verdes - telhado ecológico - construção sustentável

SkyGarden Telhados verdes - telhado ecológico - construção sustentável 4

2. Telhado verde dentro de edifício certificado LEED na Marginal Pinheiros.

SkyGarden Telhados verdes - telhado ecológico - construção sustentável 3

3. Com a biodiversidade nativa dos quase extintos campos-cerrados da cidade de São Paulo. Vila Madalena.

SkyGarden Telhados verdes - telhado ecologico de cerrado

SkyGarden Telhados verdes - telhado ecologico de cerrado 5

4. Gramado e flores nativas que atraem borboletas na Zona Sul.

SkyGarden Telhados verdes - telhado ecológico - construção sustentável w2

5. Floresta de Mata Atlântica com árvores de até 3,5 metros e praça suspensa em edifício na Avenida Paulista.

SkyGarden Telhados verdes - telhado ecológico - construção sustentável 677

SkyGarden Telhados verdes - telhado ecológico - construção sustentável 45

A diferença entre um jardim sobre laje com terra e um telhado verde é que esses últimos são finos, leves e duráveis quando realizados com tecnologia específica. Os 5 projetos acima tem uma espessura de 4 a 15 cm de um substrato especial e peso de 40 a 200 kg por m² – o que permite normalmente instalar sobre prédios antigos.

Também diminuem em até 18°C a temperatura da cobertura e como reservam água no substrato, precisam de 60% menos água de irrigação e a sua água sai transparente, podendo ser aproveitada no edifício. Outro aspecto é o aumento da durabilidade da impermeabilização devido a estabilidade térmica.

Telhados verdes são ferramentas fundamentais para melhorar o meio ambiente nas cidades e a saúde da população, e por isso que já são lei em cidades da Dinamarca e Canadá. No Brasil, Recife recentemente aprovou uma legislação em prol das coberturas ecológicas.

Para conhecer mais: http://www.skygarden.com.br

Ricardo Cardim

Publicado em Árvores de São Paulo, Biodiversidade paulistana, green building, marginais Tietê e Pinheiros, Mata Atlântica, meio ambiente, meio ambiente urbano, meio ambiente urbano em São Paulo, Paisagem, paisagismo, paisagismo sustentável, pdf telhado verde, plantas nativas, plantas que não gastam água, plantas que usam pouca água, plantas suculentas, Skygarden, sustentabilidade urbana, telhado verde, telhados verdes, verticalização de São Paulo | Marcado com , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | 1 Comentário

A árvore que floresceu em cima do viaduto da Avenida dos Bandeirantes

árvore pata de vaca Bauhinia - árvores de São Paulo 1 - foto de Ricardo Cardim - direitos reservados

Árvore comum na arborização de São Paulo, e geralmente exigente quanto as condições de solo, uma pata-de-vaca (Bauhinia blakeana) cresceu na junta de dilatação do movimentado viaduto de acesso da Marginal do Rio Pinheiros a Avenida dos Bandeirantes, Zona Sul de São Paulo.

Não conheço outro exemplar da espécie vivendo “nas alturas” como esse, e ainda mais adulto e florescendo. Essa espécie é originária de Hong-Kong e suas flores lembram orquídeas, sendo muito ornamentais. Na Mata Atlântica temos uma árvore do mesmo gênero, a B. forticata, de flores menos vistosas e com a cor branca.

árvore pata de vaca Bauhinia - árvores de São Paulo - foto de Ricardo Cardim - direitos reservados

 

Ricardo Cardim

 

Publicado em arborização urbana, Árvores de São Paulo, árvore urbana, árvores, árvores floridas, curiosidades do verde paulistano, fotografia árvores, guia de árvores em São Paulo, meio ambiente, meio ambiente urbano, meio ambiente urbano em São Paulo | Marcado com , , , , , , , , , , , , , , , , | 6 Comentários

O primeiro telhado verde com floresta de Mata Atlântica é em São Paulo

Um desafio importante da sustentabilidade urbana no Brasil é equilibrar a cidade construída com a sua rica natureza original. Ainda distantes desse objetivo, nossas cidades apresentam pouca vegetação e o desaparecimento da biodiversidade nativa.

Como melhorar esse quadro em cidades que foram pensadas para edifícios e carros, e não o verde? Uma solução para regiões adensadas é aumentar a vegetação e seus benefícios através de telhados verdes. Mas não aqueles feitos para a realidade de países frios e com urbanismo de primeiro mundo, mas algo que respeite a realidade brasileira.

Além desse blog, um dos nossos trabalhos é desenvolver métodos que permitam a biodiversidade nativa retornar para as cidades. Depois de mais de cinco anos de pesquisas, conseguimos criar um método inovador para telhados verdes com o máximo de funções ambientais, que reproduz a dinâmica da floresta tropical, e permite uma verdadeira Mata Atlântica na cobertura de prédios com apenas 15 cm de espessura de uma “terra especial” da empresa SkyGarden, e a composição/espaçamento das espécies de árvores semelhante ao natural.

Telhado Verde com paisagismo, plantas nativas e o capão de Mata Atlântica  na esquerda da foto. Edifício Gazeta, Av. Paulista.

Telhado Verde com paisagismo, plantas nativas e o capão de Mata Atlântica na esquerda da foto. Edifício Gazeta, Av. Paulista.

Com mais de 100 árvores nativas, a floresta recebeu em janeiro de 2014 mudas de 1 metro de altura e que agora tem de 2 a 3 metros.

Com mais de 100 árvores nativas, a floresta recebeu em janeiro de 2014 mudas de 1 metro de altura e que agora tem de 2 a 3 metros.

O resultado são florestas densas e verdejantes de até 3,5 metros de altura, que resistem a ventanias, consomem pouquíssima água, não dão manutenção, podem abrigar diversas espécies da fauna e pesam apenas 300 kg por m², o mesmo que um gramado em terra comum sobre laje. A cobertura diminui até 18° C de temperatura.

O projeto apresentado nessas fotos tem um ano de idade, e foi plantado em uma das coberturas do Edifício da Fundação Cásper Líbero – Gazeta, na Avenida Paulista. Além da Mata Atlântica, conseguimos recriar a vegetação de Cerrado nos telhados verdes.

Não temos outro caminho para a abundância de água, qualidade de vida e saúde pública nas caóticas cidades brasileiras sem resgatar de volta o verde, e o telhado verde com a vegetação nativa pode ser uma ferramenta importante para isso.

Para saber mais:

http://www.skygarden.com.br

Dentro da Mata Atlântica, a sensação é semelhante a uma floresta nativa espontânea.

Dentro da Mata Atlântica, a sensação é semelhante a uma floresta nativa espontânea.

O microclima que a floresta proporciona pode melhorar muito a questão do calor e água da cidade de São paulo, se usada em larga escala.

O microclima que a floresta proporciona pode melhorar muito a questão do calor e água da cidade de São paulo, se usada em larga escala.

Com a tecnologia, apenas 15 cm de espessura são necessários. O baixo peso, de cerca de 300 kg por  m², permite o plantio também em prédios antigos.

Com a tecnologia, apenas 15 cm de espessura são necessários. O baixo peso, de cerca de 300 kg por m², permite o plantio também em prédios antigos.

A cidade de São Paulo em um futuro possível, que harmonize a natureza e cidade, com Mata Atlântica, praças e hortas em suas coberturas. Vida melhor para todos. Crédito: UOL

Ricardo Cardim

Publicado em árvore urbana, árvores, Biodiversidade paulistana, bioma cerrado, especificação telhado verde, green building, Mata Atlântica, meio ambiente, meio ambiente urbano, meio ambiente urbano em São Paulo, paisagismo, paisagismo sustentável, pdf telhado verde, plantas que não gastam água, Skygarden, sustentabilidade urbana, telhado verde, telhados verdes, verticalização de São Paulo | Marcado com , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | 16 Comentários