Lei de uso e ocupação de solo de São Paulo perpetua erro ambiental histórico

Uma tragédia para as raras áreas verdes sobreviventes da cidade de São Paulo. Assim pode ser caracterizada a legislação de uso e ocupação do solo apresentada recentemente à Câmara Municipal pelo prefeito Fernando Haddad. Com o objetivo de construir mais creches sem ter que adquirir novos terrenos, o prefeito pode ocupar e eliminar áreas verdes públicas e espaços livres da metrópole, incluindo unidades de conservação integral, parques urbanos e lineares, praças e até áreas de preservação permanente, como as matas “produtoras e protetoras de água” nas beiras de represas e rios.

Tal postura inaceitável repete os erros típicos do século passado na metrópole, de justificar o sacrifico das já escassas áreas verdes públicas, que garantem a qualidade de vida, saúde pública e a biodiversidade para a população, por um motivo também nobre (hospitais, escolas, creches). Esses equipamentos públicos devem coexistir com o verde nas comunidades e nunca se contraporem.

Na cidade de São Paulo são inúmeros os exemplos de bairros e regiões que perderam suas praças e parques para ações realizadas por gestões públicas irresponsáveis e populistas. O resultado é sentido fisicamente e psicologicamente por todos que vivem o cotidiano insalubre da metrópole com apenas 2,6 m² de áreas verdes por habitante e que em alguns bairros chega a míseros cm². Abaixo um exemplo típico, na região central.

O antigo Largo Conde de Sarzedas na região central em 1944. Ainda um espaço verde de encontro e brincadeiras da comunidade do Glicério, na região central.

O antigo Largo Conde de Sarzedas na região central em 1944. Ainda um espaço verde de encontro e brincadeiras da comunidade do Glicério.

Atualmente uma escola pública

Sacrificado para uma escola pública em uma região completamente árida atualmente. Porque a escola não foi construída desapropriando outros terrenos construídos?

Matéria na íntegra:

http://sao-paulo.estadao.com.br/noticias/geral,governo-haddad-cobra-cota-verde-mas-fica-isento,1699288

Ricardo Cardim

Sobre Ricardo Cardim

www.arvoresdesaopaulo.com.br
Esse post foi publicado em amigos das árvores de São Paulo, árvores nativas, Biodiversidade paulistana, campos cerrados em São Paulo, curiosidades do verde paulistano, destruição do verde em São Paulo, História de São Paulo, meio ambiente, meio ambiente urbano, nascentes de água São Paulo, São Paulo, verticalização de São Paulo e marcado , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

3 respostas para Lei de uso e ocupação de solo de São Paulo perpetua erro ambiental histórico

  1. Thadeu Luzzi Bonomo disse:

    Disse q sim…

    Enviado do Yahoo Mail no Android

  2. Ruy Barbosa Silva / arquiteto e urbanista disse:

    Caro Ricardo!
    É claro que a nossa cidade já foi muito impermeabilizada, assim como, nossa única e imediata alternativa são as coberturas verdes para retermos a velocidade de escoamento das águas pluviais e também sua capitação para cisternas.
    Podemos ainda sugerir adequações nesta lei, de tal maneira que para ser aprovado o projeto de implantação de qualquer que seja o equipamento público nestas recintos verdes, que sejam obrigatório a execução de cobertura verde e acesso independente para o público usuário da mesma.
    Tal como uma praça elevada…
    Abs,

    Ruy Barbosa

  3. waltraud cavalheri disse:

    O que pode ser feito?

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s