Anhangabaú, o novo Minhocão da metrópole

Instagram - Anhangabaú

Imagem muito replicada no Instagram e WhatsApp hoje.

Foi com espanto que em dezembro último parei para observar, do viaduto do Chá, a paisagem do Vale do Anhangabaú como terra arrasada. Naqueles poucos minutos, encostado no guarda-corpo, tive uma sensação de volta ao tempo, mais precisamente aos anos 1970 e sua corrida rumo ao progresso das metrópoles que “não podiam parar de crescer” à custa do verde. Vieram a cabeça edições da extinta revista Manchete da época apresentando a obra do Minhocão e Praça Roosevelt.

Passado meio ano,  recebo hoje uma enxurrada de fotografias do resultado das obras. A premonição se concretizou, literalmente. Ganhamos um novo “Minhocão” para a metrópole,  uma eficiente ilha de calor urbana. Pior do que o já árido e desagradável Largo da Batata em Pinheiros, o novo Anhangabaú não tem árvores ou  qualquer vegetação sobre uma enorme laje impermeável e absorvente de calor que deve passar de 15.000 m² de ponta a ponta. Isso em uma das regiões mais cinzas e com menores índices de verde da urbes.  Tem alguns chafarizes de água, que conhecendo o histórico de manutenção de tais estruturas públicas assemelhadas, terá um futuro incerto, e isso sem refletirmos de onde virá o escasso recurso água.

Ilhas de calor

O centro de São Paulo já é uma importante ilha de calor urbana

Mas o inacreditável é a falta deliberada de natureza, ou a algo que remeta a ela no projeto – a biofilia, hoje tão apregoada. Porque árvores e o paisagismo não participam? É um equivoco achar que arborização e paisagismo afastam pessoas. O que afasta pessoas da rua é a falta de segurança pública, a falta de comércio vivo, de atrações culturais, de conforto térmico, a falta de natureza, enfim, de condições para criar um público variado e dinâmico. O verde, ao contrário atrai. Vide parques que conciliam florestas urbanas com amplos gramados, como o Ibirapuera e Villa-Lobos, que viviam lotados antes da pandemia, e tinham enormes filas de carros para entrar nos domingos. Fenômeno urbano esse que não é só do Brasil, a exemplo do Central Park em Nova Iorque. Aliás, quem é paulistano lembra da resposta tradicional para quando alguém lhe convidava para ir ao parque Villa-Lobos: “Mas lá não tem sombra, não tem árvore, é muito quente!” Problema que hoje passa o Parque do Povo, e que provavelmente passará o bastão ao novo Anhangabaú.

Se o projeto anterior, fruto de um concurso público vencido há quase 40 anos atrás pela paisagista Rosa Kliass e equipe foi desconsiderado, porque não propor um projeto do século 21, consciente da importância da vegetação urbana e dos serviços ambientais prestados para  a saúde pública e qualidade de vida da população? São evidências cientificas amplamente confirmadas em todo o mundo nas últimas décadas, basta uma breve pesquisa no Google Acadêmico. Porque não compatibilizar o respeito a paisagem ancestral (que diga-se de passagem foi  de natureza riquíssima nos arredores do ribeirão Anhangabaú séculos atras), e prestigiar a sua fauna e flora em projeto,  inclusive como um patrimônio cultural e ferramenta de educação ambiental?

Enfim, uma pena. Teremos talvez que esperar mais 40 anos para que venha um novo projeto que mostre o caminho da cidade do futuro, que compreenda ser possível a harmonia entre a cidade construída, adensada, vertical, viva, dinâmica, divertida e a nossa extraordinária e necessária natureza nativa. Acredito nisso. A Floresta de Bolso de Mata Atlântica vizinha ao Largo da Batata é uma pequenina contribuição nesse sentido. Que um dia tenhamos um rio de verdade correndo do Viaduto do Chá ao Santa Ifigênia, e não de concreto armado.

Ricardo Cardim

Paisagista e Botânico

Anhangabau Insta Ricardo Cardim

Minha vista em dezembro último

 

anhangabau em 3 tempos

Antes, durante e depois no Google Earth

Sobre Ricardo Cardim

www.arvoresdesaopaulo.com.br
Esse post foi publicado em arquitetura, árvores, meio ambiente, meio ambiente urbano, meio ambiente urbano em São Paulo, paisagismo, paisagismo São Paulo, paisagismo sustentável, Parque Villa-Lobos, urbanismo, Vale do Anhangabaú e marcado , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s