Nascentes de água, trechos de Cerrado, Mata Atlântica e antigos caminhos indígenas e de tropeiros – o necessário Parque Fonte Peabiru em São Paulo

Seculares, os arcos de pedra resistem junto com a água limpa ao descaso e ameaças.

Seculares, os arcos de pedra resistem junto com a água limpa ao descaso e ameaças.

Na mais severa seca da cidade de São Paulo a água continua correndo, transparente, entre dois arcos antigos de pedras, obra provavelmente do século XVIII. Em volta, um grande terreno de 39.000 m² repleto de árvores da Mata Atlântica e trechos de Campos Cerrados em meio ao adensado bairro do Butantã na Zona Oeste.

Esse cenário, em uma cidade preocupada com sua água, meio ambiente e história, certamente seria um parque público para toda a população, mas segue abandonado e ameaçado por lixo, invasões e lançamentos imobiliários, embora o terreno seja tombado desde 2012. 

Estudos realizados pela Associação Cultural do Morro do Querosene, que lutou e conseguiu o tombamento do terreno, mostram que possivelmente nessa área existia um ponto de parada de bandeiras e tropeiros na nascente, que fazia parte do antigo caminho indígena do Peabiru, esse anterior ao século XVI.

Observando atentamente a construção dos arcos em pedra que abrigam a nascente e comparando com construções históricas paulistanas ainda existentes, fica nítido que ele pertence a outra época, colonial. Prospecções arqueológicas futuras naquele local poderão certamente fornecer pedaços importantes do passado de São Paulo e Brasil.

Trecho de Cerrado tipo "Campos de Piratininga" que margeiam o terreno da nascente. Paisagem secular.

Trecho do raro Cerrado tipo “Campos de Piratininga” que margeiam o terreno da nascente. Paisagem secular. A planta florida à direita é um araçá-do-campo (Psidium guineense), arbusto frutífero que nomeou o caminho e depois cemitério do Araçá. O capim em floração, uma espécie que quase desapareceu da metrópole (Andropogon leucostachyus) .

Outro aspecto valioso do terreno para a história e meio ambiente da metrópole são trechos preservados de campos cerrados, remanescentes dos antigos “Campos de Piratininga” vegetação nativa que nomeou São Paulo nos primeiros séculos, e que resgatam as paisagens que os antigos viajante de séculos atrás vivenciaram quando paravam na bica.

Argumentos, água e fatos não faltam para justificar a desapropriação da área e entregar esse parque público interessantíssimo e fundamental para a população, o Parque das Fontes do Peabiru.

Na cidade que corre o risco de secar, água limpa em abundância.

Na cidade que corre o risco de secar, água limpa em abundância.

Outra surpresa no terreno - um pomar centenário com as maiores mangueiras que existem na cidade de São Paulo

Outra surpresa no terreno – um pomar centenário com as maiores mangueiras que já vi na cidade de São Paulo, e que estavam carregadas de frutos. Sobreviventes possivelmente de uma antiga chácara do local.

Para mais informações sugiro o site:

http://www.fontedopeabiru.com.br/1135-2/

Endereço do local:

Entre a Avenida Corifeu de Azevedo Marques, Rua Santanésia e Rua Padre Justino (no começo dessa rua tem uma curta rua sem saída com um pequeno portão, a rua da fonte, que acessa o local).

Meus agradecimentos ao pessoal do Rios e Ruas e a Associação Cultural do Morro do Querosene.

Ricardo Cardim

Sobre Ricardo Cardim

www.arvoresdesaopaulo.com.br
Esse post foi publicado em amigos das árvores de São Paulo, Árvores de São Paulo, Árvores históricas de São Paulo, água na cidade de São Paulo, árvores, árvores antigas, campos cerrados em São Paulo, cerrado em São Paulo, construções históricas, destruição do verde em São Paulo, mangueira, meio ambiente, meio ambiente urbano, nascentes de água São Paulo, plantas nativas e marcado , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

7 respostas para Nascentes de água, trechos de Cerrado, Mata Atlântica e antigos caminhos indígenas e de tropeiros – o necessário Parque Fonte Peabiru em São Paulo

  1. PAULO GILBERTO DE MELLO SCHRANK disse:

    Ricardo , voce é 10. Aqui em Jundiaí, onde moro, tinha um tenista que tinha o seu sobrenome Nelsinho Cardin, já falecido , mas deu aulas de tenis a muita gente ,inclusive a um ministro da Fazenda Delfin Neto que tem até hoje Sitio em Jundiaí, ao lado da represa de abastecimento da cidade

  2. rubens disse:

    trabalho maravilhoso ,tente contato com joao paulo capobianco e paulo zanettini,acho que eles podem te ajudar,talvez pudessemos recompor algumas arvores nativas …

  3. cecília disse:

    Eu Quero Água… Parque da Fonte (Peabiru) É Fundamental !!!

  4. editoralince disse:

    Republicou isso em Lincee comentado:
    Ricardo, é ótimo saber que a natureza resiste em São Paulo.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s