O questionamento do natural em São Paulo pelo Artista Daniel Caballero

 

O Artista Plástico Daniel Caballero traz em seus desenhos uma interessante leitura e pensamentos sobre a natureza paulistana, biodiversidade nativa e artificialidade. Nas suas palavras:

“Meu questionamento pensa o que efetivamente é natural na cidade. Na minha abordagem, árvores e gramado não são ambientes naturais. Portanto a árvore podada com o poste, mostra uma crueldade que na verdade acho que não me comove mais. Tento mostrar a árvore como uma “artificialidade” que sugere natureza. Alguns desenhos tratam de pedras, córregos e outros elementos também, supostamente naturais.

Entre algumas possibilidades, podemos pensar a diferença entre uma área natural, remanescente de São Paulo, como o cerrado ou fragmentos de mata atlântica, em contraposição a uma área plantada com eucaliptos no parque do Ibirapuera. 

Ainda bem que pelo menos temos Ibirapuera e todo mundo já sabe que precisamos de mais árvores mas, a áridez da cidade vai além. Aqui perto de onde moro, toda semana derrubam uma casinha simpática para construir um novo prédio.”

Instalação no MASP

Instalação no MASP

Ricardo Cardim

Sobre Ricardo Cardim

www.arvoresdesaopaulo.com.br
Esse post foi publicado em Árvores de São Paulo, verticalização de São Paulo e marcado , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

4 respostas para O questionamento do natural em São Paulo pelo Artista Daniel Caballero

  1. dalva disse:

    Eu também já chorei ao ver, no bairro das Perdizes, velhos casarões senhoriais dando lugar a espinhaços de concreto armado, prédios onde impera a competitividade pelo sol e pelos demais recursos naturais. Quem viveu ali antes da década de 70 certamente lembrará do charme daquelas casas simpáticas.

  2. Associamos o espaço natural com as arvores e o verde de cidades como Sao Paulo, sem saber que tudo aquilo foi plantado e manejado. A arvore continua sendo um ser vivo, mas criado num espaço pelas maos dos homens. A relacao arvore e ambiente urbano ainda mostra que nao existe nenhuma interecao benefica; de ajuda um ao outro. Outros paises mais avancados acontecem o mesmo. Wellington, capital da nova zelandia, introduzem a arvore no espaco urbano de maneira organizada e respeitando as necessidades do ser vivo para crescimento e desenvolvimento. Em contradicao, sua poda e mau formada, existindo a necessidade do controle do homem na manutencao, ao contrario de um ambiente natural onde crescem pela necessidade de viver.

  3. Kauê Fakri disse:

    Muito interessante este post. É um questionamento extremamente válido, já que temos tão pouco ambiente ao nosso redor que simplesmente achamos que qualquer “verde” é algo fenomenal. Assim como acreditarmos que empresas que tem milhares de hectares de florestas plantadas FSC são sustentáveis. Parabéns pelo post.

  4. José Antonio disse:

    É uma pena, porque o “progresso” (seria mais um regresso) não respeita a NATUREZA.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s