Verde ameaçado

 

Áreas de importância ambiental ameaçadas dentro da cidade de São Paulo

Após a desenfreada urbanização da segunda metade do século passado quase nada sobrou de áreas verdes na cidade de São Paulo, resultando em pouca qualidade de vida para a população e na destruição da fauna e flora nativas.

Os raros terrenos com vegetação sobreviventes da metrópole hoje encontram-se extremamente ameaçados pela especulação imobiliária das construtoras e seus projetos verticalizantes. Esses oásis urbanos devem continuar preservados, como amortecedores da poluição, ilhas de calor, redutos da biodiversidade local e espaços de lazer e convívio das pessoas.

Nas últimas décadas, muitos terrenos de Mata Atlântica dentro da cidade (alguns até públicos) viraram condomínios residenciais privados. Outros, de campos cerrados, hipermercados.

Abaixo alguns exemplos de áreas verdes ameaçadas em São Paulo que ainda podem ser salvas:

 – Colégio Nossa Senhora do Morumbi. Av. Giovanni Gronchi, 4000, Morumbi – Zona Sul.

Constitui-se um importante fragmento da típica Mata Atlântica paulistana em bom estado de preservação com 75.000m² e apresenta raridades: perobas, jacarandás, canelas e até a árvore símbolo da cidade, o cambuci, em estado nativo. Floresta  participante do corredor ecológico entre a USP e o Parque Burle Marx, fundamental para a fauna urbana.

Ameaça – Projeto de construção condomínio com 7 torres de 27 andares e mais 4 pisos de garagens, obra incompatível com a preservação e uso adequado do local.

Vista da densa Mata Atlântica local.

Interior dos 75.000 m² de floresta nativa da cidade de São Paulo.

– Campos cerrados da Cidade Universitária Armando Salles Oliveira, sede da Universidade de São Paulo (USP).

No ponto mais alto do terreno da universidade, em volta da caixa de água, situada entre o Instituto de Biociências e o Instituto de Ciências Biomédicas, sobrevivem significativos remanescentes da vegetação de campos cerrados paulistanos, com plantas nativas que na cidade só existem no local. É, junto com o Parque Alfred Usteri, os últimos fragmentos da vegetação que denominou a cidade dos primeiros tempos  “São Paulo dos Campos de Piratininga”, e ainda podem formar um futuro corredor ecológico junto com outra área de mesmo tamanho próxima a Faculdade de Veterinária da USP e o Parque Alfred Usteri.

Ameaça – Atualmente abandonado e sofrendo invasão de plantas estrangeiras, as áreas estão perdendo rapidamente sua biodiversidade nativa. Precisam urgentemente de um plano de manejo com acompanhamento técnico competente e conhecedor do cerrado paulistano.

Campos cerrados do local: perigo de extinção.

Aspecto dos saborosos frutos do murici (Bysonima intermedia). Uma frutífera nativa do cerrado que ali tem provavelmente a sua última população viva na metrópole.

Terreno com árvores nativas no Bairro da Granja Julieta. Rua Manuel Ribeiro da Cruz, Granja Julieta – Zona Sul.

Com árvores muito antigas e grandes, é um remanescente da antiga floresta atlântica que cobria o local até as margens e várzeas do Rio Pinheiros. Possui exemplares de copaíbas, jatobás, passuarés e jerivás, entre outros

Ameaça – Há alguns anos a casa que ocupava pequena parte do terreno foi demolida e algumas árvores nativas removidas. Segundo vizinhos, está prevista a construção de um condomínio residencial horizontal na área, como já ocorreu em parte de terreno ao lado.

Terreno que ainda conserva a paisagem bucólica e a flora de uma São Paulo de outros tempos…

A área verde fica circundada pelas matas remanescentes da Hípica de Santo Amaro (outra área que em breve pode estar nesta lista).

– Bosque na Vila Ema, Zona Leste. Rua Batuns, esquina com a Avenida Vila Ema – Zona Leste.

Terreno encravado na Zona com menos verde da capital, apresenta 477 árvores, a maioria de espécies nativas da Mata Atlântica, e muitas certamente remanescentes da floresta original. Tem raridades como mamicas-de-porca, palmito-jussara, pitangueiras, uvaias, jerivás, canelas e até um velho e enorme jatobá.

Ameaça – Construtora prevê para o terreno quatro torres com 400 apartamentos. No projeto apresentado sobrarão somente 55% das árvores no estado original e o restante será privilégio dos condôminos.

Entre as grandes árvores nativas do terreno, se destacam um imenso jatobá e as uvaieiras.

 

– Terreno em frente a portaria do Parque Burle Marx. Av. Dona Helena Pereira de Morais, s/n, Panamby – Zona Sul.

Quando da urbanização de um grande pedaço de Mata Atlântica em frente a marginal do Rio Pinheiros no começo dos anos 1990, uma pequena parte virou o Parque Burle Marx (um dos primeiros a ser constituído em parceria com as incorporadoras, que o deixaram em formato de quebra-cabeça, cercado convenientemente pelos melhores terrenos ainda florestados para construir). O terreno do outro lado da portaria do mesmo parque, mantém ainda a Mata Atlântica, que vem sendo atacada na surdina nos últimos anos com a remoção do sub bosque, deixando somente as árvores maiores para não chamar a atenção pública.

Ameaça – Assim como todas as outras florestas atualmente destruídas  em volta do citado parque, esta provavelmente já está sendo “preparada” para virar um grande lançamento imobiliário, deixando-a empobrecida e vulnerável até virar um “matagal sem valor” e livre para construir.

A seta aponta a imensa ilha de Mata Atlântica. Será que estará aí na próxima década?

 

– Parque Augusta (antigo colégio francês Des Oiseaux). Rua Augusta, 344 – Centro.

Último quarteirão com vegetação densa na região mais urbanizada da cidade de São Paulo, com a presença de árvores nativas adultas. Sua área de 23.700 m² é fundamental para o amortecimento urbano e pode ser a vir uma importante área de lazer para os moradores. Local apto também a receber mais árvores nativas e reequilibrar ecologicamente o bairro.

Ameaça – Incoporação em parte do terreno de edifícios de escritórios e residenciais.

Oásis verde em meio a urbanização intensa. O Parque Augusta deve ser pleno.

Vista interna do terreno com sua árvores de grande porte.

Área do Jockey Clube. Av. Lineu Paula Machado, 1263 – Zona Oeste.

Verdadeira “fazenda” dentro da cidade de São Paulo, o terreno do Jockey Clube vem sendo alvo da cobiça de muitos, principalmente por seu alto endividamento junto a Prefeitura e sua excelente localização e tamanho potencial para incorporações imobiliárias. Situado nas antigas várzeas do Rio Pinheiros, é importante área permeável e pode vir a ser um parque do porte do Ibirapuera, com grandes serviços ambientais para toda a cidade.

Ameaça – A última proposta era de erguer em 100.000 m² duas torres comerciais, um shopping e 1.291 vagas de estacionamento.

Amplos espaços – perfeito para o novo “Ibirapuera” paulistano.

 

– Seminário do Verbo Divino e Colégio Pueri Domus. Rua Verbo Divino, 993 e 993-A, Chácara Santo Antônio – Zona Sul.

 Uma Mata Atlântica de excelente preservação, biodiversa e com árvores de grande porte cobre parte considerável do terreno. Forma, junto com outros fragmentos próximos, um raro corredor ecológico para a fauna e flora nativas da metrópole. Além de ser importante amortecedor dos males urbanos para a região.

Ameaça – Projeto para edificação de condomínio residencial com  várias torres altas.

 

Fragmento contendo a genética de plantas e animais selecionados por eras ao clima, solo e biodiversidade paulistanas.

–  Antigo terreno da Família Matarazzo. Avenida Paulista esquina com a Rua Pamplona.

Área de 13.000 m² na região mais frequentada e turística de São Paulo, conserva em seu interior árvores raras nativas da Mata Atlântica paulistana, descendentes da Mata do Caaguaçú, que há pouco mais de um século cobria toda a região. Velhas canelas (Nectandra sp.), tapiás, embaúbas, alecrins, jerivás e muitas outras vivem na área. O terreno já está repleto de equipamentos para a edificação de shopping e torre de escritórios. Com isso, perde a cidade uma chance histórica de mellhorar o verde da região central e toda a população, tanto a atual quanto futuras gerações.

Foto de abril de 2011.

– Área verde da empresa MANAH no Parque São Domingos, zona oeste de SP. Local de ampla arborização em região com poucas árvores.

Ameaça – construção de condomínios verticais ou horizontais.

Ricardo Cardim

 

46 respostas para Verde ameaçado

  1. dalva disse:

    Preciosos informes. Tomara que se consiga preservar essas árvores, é necessária uma grande movimentação para o seu tombamento.

  2. Adelina disse:

    como sera q esperam viver numa ‘selva de pedra’, sem o verde, sem o reflorestamento, nem arborização de ruas e avenidas, e cada vez mais causando danos ao meio ambiente e a si proprios> pois, imagino q tanto essas pessoas, como suas familias habitam esse mesmo mundo ne> ou sera q vivem em outro planeta>mas nao sao apenas estes os grandes viloes dessa historia, existe tb a falta de consciencia, de autoridades e da população, q vem devastando gradativamente a Mata Atlantica, com ocupações ilegais e irregulares, colocando em risco nao só o estado critico, em q ja se encontra a floresta como a si proprios. E c/ isso a floresta ja ocupa o 5a. posição entre as q mais sofreram c/ a perda de sua densidade e consequentemente suas especies nativas. É preciso mesmo, q se faça alguma coisa.

    • Luís Fernando disse:

      exatamente! será que (principalmente as autoridades) terão que ver tudo extinto pra tomarem consciência? é um papel fundamental deles fiscalizar e conservar. quanto à população, a esperança é que tomem muitas lições ambientais e aprendam a dar valor…

  3. Silvana disse:

    Bom dia, Ricardo:
    encontrei seu endereço procurando como denunciar a existência de árvores “asfixiadas” nas calçadas. Moro na Vila Leopoldina, até mesmo um colégio, no último mês, cimentou o espaço existente entre o caule da árvore e o calçamento.
    Espero que possa me ajudar.
    Abraço
    Silvana

  4. Alexandra disse:

    Ricardo, parabens pelo seu trabalho. Adiciona a barra de compartilhamento para o facebook para que as pessoas possam passar pra frente essa informacao.
    Abracos,
    Alexadra

    • Ricardo Cardim disse:

      Obrigado Alexandra! A idéia é boa, eu vou tentar…rs

      abraços
      Ricardo

  5. Vladimir Ferrari disse:

    A sete anos atrás, por necessidade de decorar a frnete de minha casa recém reformada, me aventurei na área de jardinagem. Desde então, fui me envolvendo cada vez mais e hoje sou responsável (sinto-me responsável, devo dizer) por três mudas de árvores plantadas ao redor do lago municipal de minha cidade. Trabalho em São Paulo de segunda a sexta-feira e viajo quase todo final de semana para Ipaussu, a 367 km da capital. Plantei duas mudas de uva japonesa e uma de tulipeira. Todas as três tirei de sementes colhidas próximas ao escritório onde trabalho, no Itaim Bibi. Visito o Ibirapuera regularmente, procurando exercitar-me e, por que não, encontrar sementes que possa transformar em mudas.
    Gostaria de saber se poderia lhe enviar fotos de uma árvore comum em minha cidade, para que me ajude a identificá-la.
    Abraços,

    Vladimir Ferrari

  6. Ricardo

    Parabens pelo seu trabalho de ambientalista .

    Cecilia

    • Ricardo Cardim disse:

      Olá Ana Cecília,
      Devemos ser parentes – vi que também é Cardim – vc é de SP?
      Muito obrigado pela força!

      abraços
      Ricardo

  7. Antonio disse:

    Na região do Alto da Boa Vista, em Santo Amaro, existe uma grande área na rua Visconde de Porto Seguro onde há algum tempo a prefeitura anunciou a criação de dois parques, ao lado das escolas Suiça e Chapel (um de cada lado da rua). O fato é que está tudo abandonado. Ao lado de uma das áreas foi aprovado o desmatamento de uma grande área para um condomínio de luxo, desmatamento este que vai afetar uma nascente existente no local bem como exemplares da fauna ainda remanescentes em área urbana, como saguis, gambás e uma diversidade incrível de pássaros. Esse abandono e descaso com essa área toda (que deve ter no total uns 100.000 m2) demonstram que a Prefeitura não tem o menor interesse na preservação e que, infelizmente, a população não está suficientemente organizada e alerta para proteger este patrimonio inestimável.

    • Ricardo Cardim disse:

      Antônio, eu conheço essas áreas, lembro-me do lançamento de um condominio de casas vizinho a escola suiça e que foi embargado. Vou lá fotografar, realmente essa área tem que constar nessa página.
      obrigado!
      Ricardo

  8. Daniele disse:

    Olá! Estou preparando uma aula sobre a importância da arborização para os centros urbanos, enfocando principalmente São Paulo, de maneira que o ambiente em si sirva como um “refúgio urbano” para toda a população. Achei bem interessante as fotos, principalmente as aéreas, onde é possível perceber o quão poucas são as áreas verdes na cidade.
    Parabéns pelo trabalho!
    Daniele

  9. MArina Medici disse:

    Bom dia Ricardo,

    Seu trabalho é maravilhoso! Graças a deus ainda existem pessoas como voce.
    Essa cidade me assusta. É de extrema urgencia que a prefeitura tome as rédias do mercado imobiliário-destruidor da cidade de São Paulo. Além de destruir areas verdes, eles destroem antigos casarões, e consequentemente toda o resto de memória da nossa cidade. Precisamos de mais pessoas com vontade e determinação, para fazer desta cidade, uma cidade um pouco mais humana.

    • Ricardo Cardim disse:

      Muito obrigado pela força Marina! A luta é imensa, mas juntos… quem sabe!
      abraços

  10. Daniel disse:

    Ola Ricardo,

    Minha família tem um desses terrenos! Ele já foi vendido para Camargo Correa e Cyrela em Fev. de 2005 pois não podiamos mais mante-lo, no entanto as construtoras se aproveitaram da situação financeira difícil da minha família para tirar grande vantagem, que com muita dificuldade estamos tentando solucionar na justiça. Nesse meio tempo percebemos que a forma que usam para aprovar a construção nesses terrenos é bastante intrigante e suspeito até ser bem irregular. Devido a tudo que passamos estamos tentando cancelar o contrato e seria muito bom se a prefeitura resolve-se preservar a área, fazer um museu ou parque, pois temos uma casa com provavelmente mais de 100 anos e literalmente um sitio de 18.000m2 ao redor! Entre em contato comigo por favor! Abraço Daniel

  11. Peter Trento disse:

    Estou lhes escrevendo porque sei que vocês trabalham na área e estão melhor informados que o professor de geografia aqui. Estão prestes a votar na próxima reunião de condomínio, dia 30, o corte de duas Araucárias Angustifolia para construção de um salão de festas. Creio ter lido em algum momento que o corte dessa árvore é proibido. Podem me ajudar, gostaria de apresentar na reunião a lei que proíbe esse corte. Ela existe mesmo?

    Grato,

    Peter Trento.

    • Ricardo Cardim disse:

      Caro Peter,

      Se for no municipio de sp é proibido sem a autorização da svma, com multa mínima de r$ 10.000. A espécie está no Livro Vermelho das Espécies Ameaçadas do Estado de São Paulo de 2007. Boa sorte para impedir esse absurdo e, Se for em SP -SP me envie a foto delas que coloco no blog.

      abs

  12. Marina disse:

    ASSINE PARA TENTAR MANTER A MEMORIA E O VERDE VIVO NO LOCAL DA MANSAO MATARAZZO:
    http://www.peticaopublica.com.br/PeticaoVer.aspx?pi=P2011N9560

  13. MArina Medici disse:

    SP perde 12 mil árvores em quatro meses
    Com cortes, é como se um Parque Ibirapuera inteiro tivesse sumido.
    Fragmentos de mata na região do Morumbi estão dando lugar a torres.

    http://g1.globo.com/sao-paulo/noticia/2011/05/sp-perde-quase-13-mil-arvores-em-quatro-meses.html

  14. claudia disse:

    Concordo que o verde deve ser preservado, mas acho que nesta área deveriam fazer uma parque para os moradores do bairro, o colegio apresenta uma vegetação belissima mas os paulistanos não podem usufrui-la, acho que deveriam fazer um parque onde crianças e adultos pudesse aproveitar o verde , com bancos, bicicletas e cafés, enfim, uma area de lazer ao ar livre para a população.

    • Ricardo Cardim disse:

      Cláudia,

      concordo totalmente. Em SP essas áreas devem virar parques públicos.

  15. juliane souza de jesus disse:

    gostaria de saber como posso obter um guia de arbonizaçao verde.

    • Ricardo Cardim disse:

      Olá, visite a nossa pagina “contato” tem um link lá para o pdf

  16. marcio motta disse:

    Caro companheiro,
    Venho por meio deste post pedir sua ajuda…. existe um interesse muito grande de construtoras em cima de uma empresa com um terreno ABSURDAMENTE arborizado (dizem ser protegido) na região oeste, Parque São Domingos. Eu resido em frente a empresa, que na de década de 80 era a empresa MANAH ADULBOS… mas 20 anos depois, o prédio continua vazio.
    Estou tentando pedir a prefeitura e apoio de vereadores, que tornem o espaço um SESC ou algo assim. O prédio é lindo e o terreno arborizado mais ainda!
    Se procurar no google maps por: av. do anastácio, 833, encontrará a imagem bela do local!

  17. Marcio Motta disse:

    Agradeço novamente o apoio!! É a luta do pessoal do bairro do Parque São Domingos para que o local seja preservado… e quem sabe um dia virar um SESC!

  18. Marli Delucca disse:

    Olá Ricardo, lembra das árvores aqui da minha rua;

    Pois bem hoje liguei no setor para saber quando iam replantar a árvore derrubada e sabe do que fui informada;

    DE QUE A PREFEITURA NÃO VAI REPLANTAR NÃO.

    a funcionaria do setor, ainda quis me dar lição de moral, dizendo que todo mundo tinha direito de se defender, e que se depois de todo o processo (daqui a uns mil anos) o sujeito fosse considerado culpado ai ele é que iria plantar a arvore.

    Viva o Brasil, tomara que a Amazonia seja internacionalizada para o bem da humanidade.

    Se você quiser acompanhar aqui o número do processo
    Processo:2011/0241658/0
    http://www3.prodam.sp.gov.br/simproc/navega.asp

    Porque eu desisto

  19. Paula Santos disse:

    Bom dia Ricardo,

    Me chamo Paula, moro no extremo Sul da cidade de São Paulo e gostaria de parabenizá-lo pelas ricas informações de seu site.

    Moro entre as represas do Guarapiranga e a Billings, e infelizmente presencio muita devastação da vegetação local.

    Gostaria de saber se há algum projeto, ou ação a que possamos nos associar para ajudar na conservação dessa área.

    Muito obrigada!

    Abs,

    Paula Santos

    • Ricardo Cardim disse:

      Paula, realmente esse é um problema ´serio e que não está sendo levado na seriedade que precisa… O problema é o mesmo de todo o cinturão verde – as ocupações irregulares e currais eleitorais. Abs
      Ricardo

  20. Andre Wilson D. Gomes disse:

    Ricardo,
    hoje estou em Londrina, mas sou paulistano de origem.
    Estudei no Colégio Visconde de Porto Seguro (Rua Clementine Brenne, Morumbi) e eles tem um bosque privado, acredito que tenha 1 hectare, pode ser interessante, apesar de não visitá-lo há 20 anos, sei que está lá. Parabens pelo trabalho. André

  21. Marina Toledo disse:

    Ricardo boa noite,
    estou encantada com seu sítio. Sou artesã e estou querendo desenvolver um jogo que englobe a vegetação da cidade de São Paulo com a história de lugares da cidade de São Paulo, por exemplo, o Pateo do Colegio, que estão espalhados pela cidade. Gostaria de saber se posso utilizar essas informações que constam sobre a vegetação em seu sitio e claro citar seu sítio e você como fonte. A ideia é criar um jogo educativo onde cada região a ser alcançada tem obstáculos e ao alcançar o objetivo a criança lê qual é a vegetação ou conta a história da cidade. Se quiser falar comigo deixo meu endereço eletrônico: toledo.marina@gmail.com
    Abraço

    Marina Toledo

  22. andre de campos disse:

    Ricardo….Maravilhoso seu trabalho de divulgação e preservação…..Achei seu endereço procurando ajuda de alguma entidade para me auxiliar a preservar 7 arvores centenarias de jatobá que tenho em meu terreno na serra da cantereira em mairiporã….elas estão a beira de um barranco e os vizinhos conseguiram na secretaria do meio ambiente da cidade, a autorização para o corte das mesmas…voce sabe me dizer alguma entidade que poderia me auxiliar para manter estas arvores centeneria s e de madeira nobre ?….abraço…André de Campos

  23. Patrícia Rocco disse:

    Olá, Ricardo! Te escrevo para pedir uma dica, um contato, uma ajuda sobre uma questão de preservação ambiental. Ao lado da casa de um amigo, na Vl. Mariana (SP), há um terreno que, muito em breve, passará a ser palco da construção de mais um prédio residencial de luxo.
    Porém, neste terreno há um abacateiro lindíssimo, imagino que tenha mais de 50 anos, e que abriga algumas espécies de pássaros… Obviamente que, ao começarem a construção, essa bela árvore será cortada e os pássaros, claro, irão embora. Isso é o que estamos querendo tentar impedir. No entanto, não sabemos por onde começar. Me lembrei imediatamente do excelente trabalho que realiza e imaginei que talvez vc pudesse nos dar umas dicas ou nos passar algum contato que possa nos orientar. Será que temos chance de conseguir?
    Muito obrigada.
    Um abraço,
    Patrícia

  24. Valeska Lucchi disse:

    Olá, gostaria de saber como mando fazer um laudo a respeito do meu jardim que está sendo todo envenenado pela minha vizinha. Ela já matou minha amoreira, e agora matou meu jardim vertical de 30 mts quadrados, com lindas jibóias, jundus, costelas de adão, e heras.. eu vi o veneneno derrubado sobre elas e sobre meu quintal, tirei até fotos, estava viajando quando voltei ela tinha feito isso e tenho que ficar vendo todo meu jardim morrer lentamente. Não encontro um lugar para fazer um laudo a respeito do que elas morreram. No Instituto Biológico eles apenas emitiram um laudo de que não morreram por fungo! Isso eu já sabia. Você conhece algum laboratório que realize estes laudos?
    Obrigada.

  25. Alexander S. Barbierato disse:

    Valeska,
    Abra um Boletim de ocorrência contra esta tua vizinha. E me avise, faço questão de falar pessoalmente a ela sobre a importância em preservar as Arvores. Fique tranquila, após minha conversar tenho certeza que a mesma ficará amante da natureza

  26. Moro em Santos-SP,e há um plano de passar o VLT na av.Francisco Glicério ,e querem arrancar árvores de mais de 40 anos na rua Vidal Sion(paralela)..me informe alguma ong por favor!”URGENTE”…

  27. Darlene Colpani disse:

    DESABAFO…
    Estou farta, realmente CAN-SA-DA de ver tanta crueldade contra animais, árvores e até mesmo contra os seres humanos.
    Campo Belo, bairro que antes era composto quase todo de residências, muito bem arborizada, hoje está sendo devastada por empreendimentos de elevadíssimo padrão, os quais primam apenas pelos seus bolsos cheios, cortam árvores, muitas delas centenárias, sem o menor pudor. Como se não bastasse isso, com essa onda de moradores terem que consertar suas calçadas, agora virou moda concretarem as bases das árvores, deixando-as sem um milímetro sequer para receberem água da chuva, pq nem mesmo regarem as pobres, esses moradores regam. A exemplo de tantas outras espalhadas pelo bairro, acabo de ver uma muda de Sibipiruna, recém plantada pela Prefeitura na R. Estevão Baião, quase esquina com R Conceição Marcondes Silva, com um caule de apenas 6cm de largura e 2m de altura, to-tal-men-te concretada em sua base… antes tinha um retângulo de terra ao seu redor. Com toda certeza morrerá em breve. Não dá nem prá retirar e replantar no quadrado de terra que existe a apenas um passo de distância, de onde foi retirada uma outra árvore. Acho isso um crime… e quem vai pagar caro por ele somos nós mesmos, os moradores. Acordem prá vida “seres humanos”, antes que seja tarde demais para isso. Como podem querer mudar o Brasil, se não mudam a si mesmos…

  28. Flayama disse:

    Ricardo, tem um terrenão na esquina da R. João Moura com a Teodoro. Parte já virou um estacionamento e a outra parte ainda está com mata, sendo que tem uma árvore gigantesca bem no fundo do terreno. As árvores da frente já estão plaqueadas.

  29. marcia disse:

    QUERO DENUNCIAR A INVASAO DOS TERRENOS DO IBAMA AQUI NA FAZENDA DA JUTA EM SP CAPITAL, AS PESSOAS ESTAO CORTANDO AS ARVORES E FAZENDO BARRACOS E NINGUEM FAZ NADA NEM O PREFEITO NEM O PESSOAL DO MEIO AMBIENTE ESTA AREA E DO IBAMA, GOSTARIA DE PROVIDENCIAS URGENTES… NAO POSSO ME IDENTIFICAR

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s