Árvore mais antiga de São Paulo, a figueira-das-lágrimas segue totalmente abandonada pelo Poder Público

Estado atual do muro das figueiras-das-lágrimas, com a Dona Yara ao lado.

Péssimo estado atual do muro da figueira-das-lágrimas, com a Dona Yara ao lado.

 O que era para ser um grande motivo de orgulho em um país desenvolvido, ou um símbolo da História e Mata Atlântica de São Paulo, representa hoje uma vergonha para a maior metrópole brasileira. O estado da figueira-das-lágrimas, uma árvore nativa com mais de dois séculos de existência e que assistiu Dom Pedro I passar sob sua copa no distante ano de 1822, é infelizmente o resultado do total descaso por parte do Poder Público.

Com o antigo e belo muro de contenção desabando, escorado por madeiras improvisadas na calçada, sem nenhuma placa de identificação do monumento vegetal (a não ser uma diminuta dentro do terreno, que identifica a árvore errado), nada mostra a importância dessa anciã tombada por lei em 1988.

Para quem passa em frente, a sensação é de total abandono, mesmo com todos os cuidados possíveis por parte da Dona Yara, que mora ao lado há décadas e adotou a árvore como sua zeladora, defendendo-a e contando a sua história para todos que ali param e se interessam.

Certamente, um patrimônio ambiental como esse em uma cidade como Berlim ou Nova Iorque seria uma relevante atração turística, recebendo os cuidados que sua avançada idade e condição exigem, um espaço vital adequado e painéis explicativos de toda a sua história e linha do tempo. Pena, que mesmo em uma capital econômica e cultural como São Paulo, isso está aparentemente mais distante que o ano de 1822.

Aspecto da figueira-das-lágrimas nesse inverno, com poucas folhas na época como é característico da espécie Ficus organensis.

Aspecto da figueira-das-lágrimas nesse inverno, com poucas folhas na época, como é característico da espécie Ficus organensis.

Em primeiro plano, uma figueira estrangeira que foi plantada inadequadamente ao lado da anciã (no fundo) e deveria ser removida.

Em primeiro plano à esquerda, uma figueira estrangeira que foi plantada inadequadamente ao lado da anciã (no fundo) e deveria ser removida para evitar a competição por recursos como água, luz e nutrientes.

Conheça mais em outros artigos do Blog e da Campanha Veterana de Guerra:

https://arvoresdesaopaulo.wordpress.com/2009/04/19/a-resistente-e-centenaria-figueira-das-lagrimas/

https://arvoresdesaopaulo.wordpress.com/2010/09/20/dia-da-arvore-a-arvore-mais-antiga-de-sao-paulo/

http://veteranasdeguerra.org/

Ricardo Cardim

Endereço da árvore – Estrada das Lágrimas entre os números 515 e 530, próximo a Rodovia Anchieta, no Sacomã – Zona Sul.

Sobre Ricardo Cardim

www.arvoresdesaopaulo.com.br
Esse post foi publicado em arborização urbana, Árvores de São Paulo, Árvores históricas de São Paulo, árvore urbana, árvores, árvores brasileiras, árvores nativas, guia de árvores em São Paulo, História de São Paulo, Mata Atlântica e marcado , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

10 respostas para Árvore mais antiga de São Paulo, a figueira-das-lágrimas segue totalmente abandonada pelo Poder Público

  1. Alex Ribeiro disse:

    Não é diferente de quase todo o resto do país, nosso digníssimos representantes têm sempre algo mais importantes com que se preocupar: eles mesmos.

  2. Wilson disse:

    Prezado Ricardo,
    Não sei se estou equivocado, mas existe um exemplar de Jequitibá-Rosa no Parque Trianon, com uma placa informativa, indicando uma idade aproximada de mais de 300 ou 400 anos.
    Wilson

  3. tretando disse:

    É, prefeitura não está nem ai mesmo !

    http://agramasintetica.blogspot.com.br/

  4. carlos disse:

    é um pouco caso da historia da nossa cidade , vereadores , deputados servem para o que.

  5. carlos disse:

    Cade a Sub Prefeitura do Ipiranga

  6. Pingback: Você conhece a árvore mais antiga de São Paulo? | Catraca Livre

  7. Amanda disse:

    Temos que nos mobilizar para plantar mais árvores e ter um pais melhor sem poluição.
    Precisamos rever nossos conceitos.

  8. DAYSE LUCIA DE FREITAS disse:

    Ricardo … encontrei alguém pra gostar das árvores como eu …. parabéns pelo seu trabalho … as árvores representam a nossa sobrevivência pena que as autoridades e gestores públicos não se tocam para essa questão .. pena …….eu sou uma apaixonada pelas árvores . Forte abraços e meus parabéns … sucessos .

  9. DAYSE LUCIA DE FREITAS disse:

    Tenho acompanhado suas publicações, são oportunas e urgentes.

  10. ***Ola, amigos: no dia 27pp. (março 2014) estive no Memorial da América Latina e ao contornar a área (pelo lado de fora do Memorial) notei uma enorme Gameleira branca nos “fundos” do Memorial. É impressionante a árvore e suas raízes suspensas até a altura de mais de 2 metros do solo me deixou de boca aberta, pois notei que a árvore não está sendo cuidada pelos responsáveis pelo Memorial. Fica aqui minha observação.
    Abraço forte

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alteração )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alteração )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alteração )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alteração )

Conectando a %s