Plantas invasoras estão destruindo silenciosamente os cerrados sobreviventes em São Paulo

Cerrados preservados com seus capins nativos próximo à São Paulo. Até quando?

Cerrado preservado com seus capins nativos próximo à São Paulo. Até quando?

Quando se pensa que uma paisagem natural está protegida por uma reserva bem cercada e vigiada, é normal acreditar que está a salvo e permanecerá assim para as próximas gerações. Mas um inimigo muito poderoso e invisível para a maioria das pessoas, e até mesmo de muitos técnicos, está rapidamente eliminando a biodiversidade do cerrado como uma onda: os capins de origem estrangeira utilizados na pecuária e taludes de estradas.

Esses capins, principalmente os africanos braquiária (Brachiaria sp.) e gordura (Melinis minutiflora) quando chegam no cerrado (pelo vento, botas, pneus, esterco dos bois, etc.) conseguem rapidamente ocupar o espaço das plantas nativas por “afogamento” deixando-as sem a luz do sol e também liberando substâncias químicas que impedem a germinação de outras plantas.

Atrás, o capim braquiária ocupando o espaço do nativo, em primeiro plano.

Atrás, o capim braquiária ocupando o espaço do nativo, em primeiro plano.

O capim-gordura, de origem africana, forma uma espessa "cama" de folhas mortas, que isola a luz do solo e impossibilita a germinação e sobrevivência de outras plantas.

O capim-gordura, de origem africana, forma uma espessa “cama” de folhas mortas, que isola a luz do solo e impossibilita a germinação e sobrevivência de outras plantas. Parque do Juquery, SP.

O resultado é a substituição de centenas de espécies por uma só, e a quebra da sobrevivência não só das plantas nativas que estavam lá há milênios, mas também dos animais, que ficam sem alimentos e o habitat que elas produziam, prejudicando toda a cadeia alimentar e causando extinções em massa.

No Parque Estadual do Juquery, uma rara e extensa mancha preservada de cerrado ao lado da metrópole, a situação atual é muito grave, e se nada for feito, certamente os capins nativos desaparecerão em poucas décadas, criando um pasto artificial no lugar da insubstituível paisagem atual,  e sem valor ambiental.

Aqui o exemplo típico, o capim-gordura em toda a área emoldurado pelo braquiária

Aqui o exemplo típico, o capim-gordura em toda a área emoldurado pelo braquiária nas margens da estrada, e nem sinal do antigo cerrado, que foi eliminado. Cena comum no Parque Estadual do Juquery.

Mesmo sendo considerada pela ONU a segunda maior causa de perda de biodiversidade no planeta, a invasão biológica  ainda é negligenciada nas políticas ambientais brasileiras, e um dos preços a pagar pode ser a extinção de cerrados ainda preservados em muitos locais do Brasil, principalmente daqueles ilhados em meio a agropecuária e cidades (a realidade de grande parte das reservas). Preservar nesse caso, não é só um corpo de guardas e cercas.

Ricardo Cardim

Sobre Ricardo Cardim

www.arvoresdesaopaulo.com.br
Esse post foi publicado em Árvores de São Paulo, árvores nativas, Biodiversidade paulistana, Botânica, campos cerrados em São Paulo, cerrado em São Paulo, destruição do verde em São Paulo, meio ambiente urbano, plantas invasoras e marcado , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

2 respostas para Plantas invasoras estão destruindo silenciosamente os cerrados sobreviventes em São Paulo

  1. Parabéns Ricardo, admiro e respeito o teu solitário trabalho!
    Grande abraço.
    Rachel

  2. David Kim disse:

    E o que poderia ser feito? Se as autoridades não estão fazendo o suficiente, será que não seria possível os interessados se unirem para uma ação voluntária, em parceria com o parque? Poderia ser criar um projeto temporário ou permanente coordenado por especialistas na flora nativa, visando a educação, a restauração e a valorização do local.
    Ouvi falar na ideia de alguns parques no exterior envolverem a população no controle de espécies exóticas. Os visitantes têm permissão para arrancar, durante seu passeio, qualquer espécie exótica invasora previamente identificada e divulgada pelos especialistas.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s