Árvores nativas na arborização urbana de São Paulo – bons exemplos

Nos últimos anos ocorreram na cidade de São Paulo alguns plantios de árvores nas calçadas com espécies diferentes das costumeiras sibipiruna e pau-ferro. Observei em diversos pontos da metrópole o uso de espécies nativas regionais, produtoras de frutos para a avifauna e com ótimas qualidades para a arborização de espaços construídos. Mesmo que ainda não pareça ser regra, essa ação de diversificação e respeito à biodiversidade nativa traz novos ares no rumo a uma floresta urbana sustentável do ponto de vista ecológico e cultural.

 

Exemplar de "canelinha" (Nectandra megapotamica) na arborização de calçada na rua Borges Lagoa. Boa ação.

Exemplar de “canelinha” (Nectandra megapotamica) na arborização de calçada na rua Borges Lagoa. Boa ação.

 

O importante é o ensaio e adaptação continuada das espécies típicas de nossa vegetação, para que possa ser aprimorado seu uso, assim como já vem sendo feito há décadas com as muitas exóticas em São Paulo, como a tipuana (Argentina) e sibipiruna (Norte do Rio de Janeiro e Estados acima). Feliz o dia em que São Paulo puder ter uma arborização densa e efetiva em seus espaços, com espécies dos seus Biomas que reequilibram o meio ambiente e sejam resistentes à condição urbana.

Folhas da canelinha

Folhas da canelinha

 

 

Ricardo Cardim

Sobre Ricardo Cardim

www.arvoresdesaopaulo.com.br
Esse post foi publicado em arborização urbana, Árvores de São Paulo, árvore urbana, árvores, árvores brasileiras, árvores nativas, árvores ornamentais, Biodiversidade paulistana, Mata Atlântica, meio ambiente urbano em São Paulo, paisagismo sustentável, paredes verdes, pdf telhado verde, telhado verde, telhados verdes e marcado , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

5 respostas para Árvores nativas na arborização urbana de São Paulo – bons exemplos

  1. Prezado Ricardo:
    Nectandra megapotamica, uma das poucas lauráceas fáceis de se reconhecer, tem sido utilizada na arborização urbana de Campinas, cidade a 100 km de São Paulo, desde a década de 1970, graças à insistência do Doutor Hermes Moreira de Souza, do Instituto Agronômico de Campinas, recentemente falecido, que desde 1962 lutou pela utilização de espécies nativas.
    Noto, na foto que publicou, que a “canelinha” foi plantada do lado da rua que apresenta fiação, o que logo vai criar problemas, dado o porte da árvore e seu crescimento rápido.
    Parabéns por sua campanha pelas plantas nativas!
    Celso

    Celso do Lago Paiva
    Instituto Pró-Endêmicas
    Curvelo MG
    http://br.groups.yahoo.com/group/proendemicas/

  2. Célia Cymbalista disse:

    É, de fato, uma boa notícia; é o resultado do esforço contínuo da SVMA no sentido de revegetar a cidade, em quantidade e qualidade relevantes; cabe à nova gestão dar continuidade a esse trabalho, sem solução de continuidade.

  3. Gustavo disse:

    Ricardo, aproveitando o ensejo há uma espécie sendo bastente utilizada que não consigo identificar. Foi bastante utilizada recentemente na Av. Paulista. A que vejo sempre está na Estação Brigadeiro em frente ao Banco do Brasil. Ela tem o fruto muito semlhante ao do Jacarandá mimoso porém com folhas maiores. Tem idéia de qual planta estou falando? Um Abraço!

  4. DAYSE LUCIA DE FREITAS disse:

    O grande problema de árvores frutíferas mesmo que nativas aos centros urbanos é a contaminação aos frutos causados pelos fungos e bactérias por causa da poluição … os frutos ficam tão contaminados que não server nem para ave fauna ….
    Recentemente em BH fizemos coletas desses frutos e constatamos segundo os laudos uma grande contaminação de fungos e bactérias ..Já estão em pesquisas espécimes dessa natureza em grandes centros urbanos .

  5. Seria bom mesmo que isso virasse uma política e não ações ou plantios pontuais. É interessante ver como as pessoas costumam repetir indiscriminadamente a idéia de um paisagismo mais ecológico com uso de nativas em que se repetem um número limitadíssimo de espécies, de regiões muito variadas do país. As diferenças, como você mesmo aponta, são às vezes muito relevantes, e plantar uma espécie nativa da região litorânea em regiões de cerrado nem sempre significa algo realmente ecológico, não é? Muito bons textos, comecei a seguir!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s