Desmatamento no Morumbi em 1967

Recebemos uma contribuição valiosa de nosso leitor Eduardo Siqueira. Trata-se de um artigo do jornal O Estado de São Paulo sobre um fato absurdo ocorrido em 1967 na cidade – o desmatamento das florestas nativas locais para “urbanização”.

Segundo o artigo, era uma mancha de floresta preservada ao lado do Jockey Club de São Paulo (aliás assunto do nosso penúltimo post) que foi destruída sem justificativa e depois usada para construções residenciais nos anos 1970. deve ter sido um trabalho muito bem-feito, já que conheço o bairro e não lembro de nenhuma árvore nativa remanescente ali, só as estrangeiras usuais do paisagismo das casas.

Aquela região, nas margens do Rio Pinheiros, foi uma grande floresta até o começo do século passado conforme se pode observar nas antigas fotografias. Tudo, desde o Jockey até o Panamby, era coberto de matas nativas com perobas, passuarés e jequitibás, que margeavam o rio e iam interior adentro. 

Graças a trabalhos “progressistas” como esse, só temos vestígios de florestas hoje no Parque Volpi e alguns terrenos ainda desocupados nos arredores, que são tema aqui nesse blog em outros artigos sobre matas e árvores ameaçadas em São Paulo pela especulação imobiliária.

Clique no link abaixo para ler o artigo:

Desmatamento no Morumbi em 1967 – artigo Estado de S. Paulo

Ricardo Cardim

 

Anúncios

Sobre Ricardo Cardim

www.arvoresdesaopaulo.com.br
Esse post foi publicado em amigos das árvores de São Paulo, Árvores de São Paulo, árvores, destruição do verde em São Paulo, meio ambiente urbano em São Paulo e marcado , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

4 respostas para Desmatamento no Morumbi em 1967

  1. dalva disse:

    O “serviço” de transformação da cidade em deserto de concreto começou lá no século XVI pelo visto. Resta saber até quando nossos pulmões vão aguentar a fúria “urbanizadora” das construtoras. Enquanto isso, lá nos países mais desenvolvidos…

  2. glenn disse:

    é bem interessante essas mudanças de valores que ocorrem ao longo do tempo.
    antigamente para se ter posse de terras o desmatamento era até estimulado, sendo reconhecido legalmente.
    bom que o conhecimento aumenta e então podemos cada vez mais relevar coisas que antes eram desconhecidas. afinal “o conhecimento muda o conhecido”, é o típico conflito de valores entre gerações presentes e passadas.

    apesar da torrente de informações a que temos acesso hoje, muitos (retrógrados e poderosos) insistem em valores obsoletos para argumentar. por isso é importante a discussão de idéias de desenvolvimento sem crescimento que abordagens como o ecodesenvolvimento promovem. alguns acreditam que no Rio+20 algumas regras serão ditadas, mas dado o histórico recente de encontros mundiais para tratar de assuntos ambientais (vide a COP-15), é necessário um tom mais enérgico nas discussões para que as decisões reflitam o conhecimento e necessidades atuais da humanidade.

    • Ricardo Cardim disse:

      É verdade Glenn, o assunto tem que ser colocado em pauta de forma enérgica e persistente até mudarmos antigas concepções e interesses privados em detrimento do coletivo.

      abs
      Ricardo

  3. stephani araújo felix disse:

    eu também acho q isso é verdade pq o nosso são paulo está com muita desmatação.
    muitos acidentes muitas passoas mortas machucadas feridas isso é muito rui se fosse por mim não ia continuar assim eu ia mudar tudo

    tchau
    beijosssssssssssss

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s