Telhados verdes

Abaixo, o perfil da tecnologia para telhados verdes SkyGarden, a única no Brasil a não utilizar estruturas derivadas de petróleo para o seu funcionamento.

perfil Telhado ecológico perfil Telhado Verde perfil telhado verde 1 perfil telhados verdes perfil teto verde

Sobre Ricardo Cardim

www.arvoresdesaopaulo.com.br
Esse post foi publicado em especificação telhado verde, pdf telhado verde, telhado verde, telhados verdes e marcado , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

7 respostas para Telhados verdes

  1. dalva disse:

    Feliz Ano Novo! Um grande abraço coletivo e continue sempre defendendo a nossa flora tão linda.

  2. Leda Lucas disse:

    Que linda a imagem da semente de peroba ou guatambu arrebentando o chão onde esperou para surgir assim firme, forte…
    Tomara ela cresça e viva seu projeto de natureza.
    Um abraço terno.
    Leda

  3. Leda Lucas disse:

    Há um lindo poema de Carlos Drummond de Andrade com o título A Flor e a Náusea que traz-nos profundas reflexões sobre o tema:

    “Preso à minha classe e a algumas roupas
    vou de branco pela rua cinzenta.
    (…)

    Em vão me tento explicar, os muros são surdos.
    Sob a pele das palavras há cifras e códigos.
    O sol consola os doentes e não os renova.
    As coisas. Que tristes são as coisas, consideradas sem ênfase.
    Uma flor nasceu na rua!

    (…)

    Passem de longe, bondes, ônibus, rio de aço do tráfego.
    Uma flor ainda desbotada
    ilude a polícia, rompe o asfalto.
    Façam completo silêncio, paralisem os negócios,
    garanto que uma flor nasceu.

    Sua cor não se percebe.
    Suas pétalas não se abrem.
    Seu nome não está nos livros.
    É feia. Mas é realmente uma flor.

    Sento-me no chão da capital do país às cinco horas da tarde
    e lentamente passo a mão nessa forma insegura.
    Do lado das montanhas, nuvens maciças avolumam-se.
    Pequenos pontos brancos movem-se no mar, galinhas em pânico.
    É feia. Mas é uma flor. Furou o asfalto, o tédio, o nojo e o ódio.”

    Este poema foi publicado em 1945, no livro A Rosa do Povo e demonstra o espanto do poeta frente a luta da Natureza contra os avanços tecnológicos… Há já 65 anos e ainda é tão necessária.
    Parabéns por sua escolha na vida!
    Leda

    • Ricardo Cardim disse:

      Leda,

      muito obrigado por dividí-lo conosco. Ótimo 2010!

      abraços

  4. Leandro Macedo disse:

    Obrigado. Esperamos as novidades!

    • Ricardo Cardim disse:

      Obrigado eu, Leandro

      espero que goste das próximas da série.

      abraços

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s