A insistência da natureza e ervas não tão daninhas

plantulas em jardim de sp Ricardo Cardim

A natureza não admite se dar por vencida, mesmo na maior cidade do País. Prédios, casas, calçadas, asfalto e, entremeado a isso tudo,  jardins enfeitando e trazendo um pouco de verde para a paisagem. Verde artificial, assim por dizer, respondendo a escolhas e gostos das pessoas que o plantaram. Geralmente com canteiros simétricos  e desenhados, juntando plantas parecidas e coloridas.

O jardineiro, responsável por sua manutenção, constantemente é chamado para podar, recolher folhas e arrancar ervas daninhas…daninhas!? Quem são essas? As diferentes das plantas compradas. Consideradas prejudiciais ao jardim e sua organização,  muitas vezes não podem ser chamadas assim.

Nas calçadas e jardins paulistanos, principalmente naqueles onde o jardineiro não é muito requisitado, parte das “ervas daninhas” são mudas de árvores da Mata Atlântica originais do local onde está a Metrópole, mostrando que a natureza sempre tenta conquistar de volta o terreno tomado. Na fotografia acima,  várias mudas de tapiá (Alchornea sidifolia), bela árvore típica de nossa floresta, plantadas por morcegos que gostam dos seus frutos e depois dispersam.

Ervas daninhas…

Ricardo Henrique Cardim

Anúncios

Sobre Ricardo Cardim

www.arvoresdesaopaulo.com.br
Esse post foi publicado em paisagismo e marcado , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

4 respostas para A insistência da natureza e ervas não tão daninhas

  1. Vinicius disse:

    Oi, Ricardo!

    Cara, MUITO grato pela resposta! É esta mesmo!
    Pena que não é brasileira (e usarem tanto em urbanismo).

    Obrigado!
    Abrço,
    Vinicius

  2. Vera Iaconelli disse:

    Olá,

    O blog de vcs é bem legal. Entrei para procurar um foto de Tipuana para minha filha, que me perguntou o que era esta palavra. Vcs têm uma foto legal desta árvore pra eu lhe mostrar?

    Vera Iaconelli

  3. ViniciusK disse:

    Legal. Que bom que a natureza não se dê por vencida. Imagine se ela sucumbisse ao constante desejo humano de monocultivos, seja de gramados exóticos, florestais ou mesmo no paisagismo.

    Também dedico-me a comentar estes assuntos no blog:
    ecoselvagem.wordpress.com

    Abraços.

    • Ricardo Cardim disse:

      Vinicius, vi seu blog, bacana – é importante falarmos sobre as espécies da restinga, pouco lembradas e de grande beleza e biodiversidade. Podemos linkar nossos blogs, o que acha?

      abraços
      Ricardo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s