Árvores nativas

Projeto Árvores Raras – Exemplares sobreviventes das vegetações nativas paulistanas no meio urbano -

As manchas de vegetação original da cidade de São Paulo foram na sua maior parte destruídas com a urbanização, e os poucos fragmentos e árvores nativas  isoladas que restaram estão desaparecendo velozmente  devido a especulação imobiliária intensa, efeitos urbanos como poluição e a mortalidade  natural por idade.

Esses exemplares – resquícios de populações já extintas – conservam nos poucos sobreviventes a genética resultante de rigorosos processos milenares de seleção natural e adaptação ao nosso solo, clima e fauna,  e estão infelizmente esquecidos e tendem a desaparecer para sempre.

Precisam ser reproduzidas e reintroduzidas na zona urbana, nos parques, praças e ruas, de forma a não somente perpetuar nossas raízes, história e cultura, mas também restabelecer o equilíbrio ecológico na cidade e aumentar as condições de sobrevivência da fauna, como pássaros e mamíferos. O resultado será maior qualidade de vida à toda população e uma cidade mais sustentável.

Para isso, montamos em 2008 um pequeno viveiro “informal” onde as sementes dessas árvores de genética ameaçada tem a germinação estudada e são reproduzidas (quando com êxito) para depois serem disseminadas em áreas verdes da metrópole. Com um pouco de sorte, no futuro elas serão espalhadas pela própria natureza, e voltarão a participar do seu terreno ancestral até que sejam realmente valorizadas em uma cidade que tem cerca de 80% da sua vegetação com origem estrangeira.

Figueira das lágrimas, da espécie nativa paulistana Ficus organensis, é a árvore mais antiga documentada na cidade de São Paulo. Existem registros que já era adulta e grande em 1861, e como ficava no caminho entre Santos e a pequena cidade de São Paulo no século XIX, Dom Pedro I com certeza passou sob seus galhos no caminho da proclamação da independência em 1822. Seu nome “das lágrimas” vem do fato de os antigos paulistanos  acompanharem os viajantes que seguiam para o Porto de Santos até aquela árvore, que era o marco das despedidas. Assim foi com os soldados paulistas que partiram para a Guerra do Paraguai e os estudantes da Faculdade de Direito da época. Hoje estamos colaborando com a Prefeitura (SVMA) para um plano de gestão e manutenção do exemplar. Precisa ser reproduzida urgentemente de modo a perpetuar não só a história, mas sua genética.

Velha copaíba (Copaifera langsdorffii) árvore sobrevivente da antiga mata atlântica que beirava o Rio Pinheiros, hoje dentro de um condomínio na Granja Julieta, Zona Sul de São Paulo. Pertence a última geração crescida antes da urbanização do local, em meados do século passado. Árvore de madeira nobre, de belo aspecto e que pode ser usada na arborização urbana, muito rara atualmente dentro da cidade.

Velha copaíba (Copaifera langsdorffii) árvore sobrevivente da antiga mata atlântica que beirava o Rio Pinheiros, hoje dentro de um condomínio na Granja Julieta, Zona Sul de São Paulo. Pertence a última geração crescida antes da urbanização do local, em meados do século passado. Árvore de madeira nobre, de belo aspecto e que pode ser usada na arborização urbana, muito rara atualmente dentro da cidade.

Sementes de copaíba coletadas da árvore acima e de outros indivíduos sobreviventes do bairro. Parte delas foi plantada para gerar mudas, e outra foi reintroduzida para germinação espontânea em um fragmento florestal empobrecido na Cidade Universitária da USP.

Sementes de copaíba coletadas da árvore acima e de outros indivíduos sobreviventes do bairro. Parte delas foi plantada para gerar mudas, e outra foi reintroduzida para germinação espontânea em um fragmento florestal empobrecido na Cidade Universitária da USP.

Germinação das sementes de copaíba em substrato de vermiculita

Germinação das sementes de copaíba em substrato de vermiculita

Mudas de copaíbas e outras árvores paulistanas ameaçadas crescendo e aguardando a hora de voltarem a cidade.

Mudas de copaíbas e outras árvores paulistanas ameaçadas crescendo e aguardando a hora de voltarem a cidade.

Recipientes para germinação de sementes pequenas como embaúbas e figueiras das matas paulistanas

Recipientes para germinação de sementes pequenas como embaúbas e figueiras das matas paulistanas

Sementes de camboatã (Cupania vernalis) - árvore típica da mata atlântica paulistana e muito apreciada por pássaros. Coletadas de diferentes exemplares nas ruas do bairro do Morumbi, nas árvores ainda sobreviventes em terrenos baldios.

Sementes de camboatã (Cupania vernalis) – árvore típica da mata atlântica paulistana e muito apreciada por pássaros. Coletadas de diferentes exemplares nas ruas do bairro do Morumbi, nas árvores ainda sobreviventes em terrenos baldios.

Sementes de rara variedade de jatobá outrora ocorrente no terreno original da cidade de São Paulo (Hymenaea courbaril var. altissima) coletadas na Zona Sul. Já foram plantadas - dezembro 2009.

Sementes de rara variedade de jatobá outrora ocorrente no terreno original da cidade de São Paulo (Hymenaea courbaril var. altissima) coletadas na Zona Sul. Já foram plantadas – dezembro 2009.

Mudas germinadas das sementes acima em janeiro de 2010

Mudas germinadas das sementes acima em janeiro de 2010

Mudas de guatambus da região do Pico do Jaraguá. Árvore de madeira considerada, outrora muito explorada na cidade de São Paulo. Pode ser usada com sucesso na arborização urbana.

Mudas de guatambus da região do Pico do Jaraguá. Árvore de madeira considerada, outrora muito explorada na cidade de São Paulo. Pode ser usada com sucesso na arborização urbana.

Sementes de murici (Byrsonima sp) uma arvoreta/arbusto típica dos extintos cerrados paulistanos aqui resgatadas de um pequeno remanescente. Plantadas em fevereiro de 2010.

Sementes de murici (Byrsonima sp) uma arvoreta/arbusto típica dos extintos cerrados paulistanos aqui resgatadas de um pequeno remanescente. Plantadas em fevereiro de 2010. A germinação foi tentada de diversas formas, inclusive escarificando (quebrando) o “caroço” do fruto e liberando as pequenas sementes manualmente, porém não consegui germinar.

No chuvoso fevereiro desse ano, 2010, plantamos quatro mudas de araucárias no Parque Villa-Lobos, em um local tecnicamente adequado. Esse pinheiro nativo já cobriu originalmente extensas áreas do bairro onde o parque está localizado, tanto que o tem em seu nome - Pinheiros. Absurdamente, não existe araucárias plantadas no gigantesco parque, mesmo com tantas nativas, em total desconexão com a vegetação original e a história e cultura paulistana. Pretendemos continuar o plantio por lá outras vezes.

No chuvoso fevereiro desse ano, 2010, plantamos quatro mudas de araucárias no Parque Villa-Lobos, em um local tecnicamente adequado. Esse pinheiro nativo já cobriu originalmente extensas áreas do bairro onde o parque está localizado, tanto que o tem em seu nome – Pinheiros. Absurdamente, não existe araucárias plantadas no gigantesco parque, mesmo com tantas nativas, em total desconexão com a vegetação original e a história e cultura paulistana. Pretendemos continuar o plantio por lá outras vezes.

As araucárias devem de preferência serem plantadas em grupo afim de que possa ocorrer a polinização futura e a formação dos requisitados pinhões.

As araucárias devem de preferência serem plantadas em grupo afim de que possa ocorrer a polinização futura e a formação dos requisitados pinhões.

Frutos da lobeira (Solanum lycocarpum) árvore típica do cerrado e que já existiu nas formações paulistanas, onde hoje acredito estar extinta. Seus frutos são grandes e verdes quando maduros, e muito apreciados pelo lobos-guará.

Frutos da lobeira (Solanum lycocarpum) árvore típica do cerrado e que já existiu nas formações paulistanas, onde hoje acredito estar extinta. Seus frutos são grandes e verdes quando maduros, e muito apreciados pelo lobos-guará.

Após alguns ensaios, consegui germinar as sementes da lobeira. Essas estão com 20 dias.

Após alguns ensaios, consegui germinar as sementes da lobeira. Essas estão com 20 dias.

Sementes do passuaré (Sclerolobium denudatum) - árvore grande, nativa  das matas paulistanas, e ameaçada de desaparecer da cidade devido a sua raridade atual. Muito predadas por larvas de insetos, menos de 10% dos frutos contém uma semente viável. Para juntar essas, foram necessários uns 200 frutos. As sementes tiveram parte das extremidades lixadas para romper a dormência (escarificação) e foram plantadas. Abril 2010.

Sementes do passuaré (Sclerolobium denudatum) – árvore grande, nativa das matas paulistanas, e ameaçada de desaparecer da cidade devido a sua raridade atual. Muito predadas por larvas de insetos, menos de 10% dos frutos contém uma semente viável. Para juntar essas, foram necessários uns 200 frutos. As sementes tiveram parte das extremidades lixadas para romper a dormência (escarificação) e foram plantadas. Abril 2010.

A apresentadora da Rede Record, Ticiane Pinheiro, plantou uma muda de lobeira de nosso viveiro nos campos cerrados paulistanos.

Plântulas da orelha-de-onça-do-cerrado, um arbusto típico dos campo cerrados de São Paulo, os antigos “Campos de Piratininga”. Produtora de agradáveis frutos comestíveis que lembram um bago de uva, suas sementes vieram dos remanescentes de campos cerrados da Universidade de São Paulo.

árvore símbolo dos campos cerrados da cidade de São Paulo, o araçá-do-campo (Psidium guineense) foi outrora tão comum que nomeou o antigo caminho do araçá e depois cemitério do araçá. Nos séculos anteriores, quando eles ainda dominavam locais como as encostas da atual Av. Paulista, suas goiabinhas eram muito procuradas pelas crianças e utilizadas para doces e araçazadas. É uma espécie diferente dos atuais araçás usados em paisagismo e arborização e, desconheço trabalhos com sua germinação e plantio. As sementes vieram da população sobrevivente no fragmento da Cidade Universitária da USP.

caroba (Jacaranda caroba) uma árvore típica dos antigos campos do Butantã, onde hoje está a Universidade de São Paulo – USP. Essa muda vem de sementes dos últimos exemplares sobreviventes na mancha de campos cerrados da USP.

árvore típica dos cerrados, com casca espessa, suberosa e folhas grossas (coriáceas), o pau-santo (Kielmeyera coriacea) é uma espécie hoje desaparecida na atual São Paulo. De reprodução difícil, consegui germinar 16 mudas com sementes de um velho exemplar dos campos cerrados da USP.

Ricardo Cardim

66 respostas para Árvores nativas

  1. Ronaldo disse:

    É bom saber que existem pessoas nesta cidade que consegue enxergar a natureza com outros olhos, além do progresso. Quando criança, comecei plantar sementes de árvores por curiosidade e depois replantá-las em escolas que estudava. Mantenho o hábito do plantio até hoje, agora, sou mais seletivo com as nativas.

  2. Nicola Greco disse:

    Olá colegas sou ambientalista há mais de 20 anos e apixonado por arborização urbana e florestas desde que me conheço por gente. adoraria fazer parte da Associação dos amigos das Árvores de São Paulo.

    Tenho inúmeras árvores sendo cultivadas em 3 viveiros da ONG que fundei em São Caetano do Sul “Instituto Ecológico e Sócio ambeintal Homem & Natureza (IH&N) Fone: 3422 3333 – por meio de nosso projeto Quilômetro Ecológico (talvez o primeiro projeto de compensação de emissão de carbono no Brasil) o qual ja plantou em São Paulo 580 árvores nos últimos 7 anos. Gostaria de fazer parte desta turma. Obrigado e parabéns a todos

    • Ricardo Cardim disse:

      Olá Nicola, parabéns por seu trabalho. No momento ainda não estamos organizados com estrutura física, mas vou guardar seu contato e quando nos reunirmos, lhe aviso. Abraços
      Ricardo

  3. guilherme disse:

    Parabéns pelo trabalho!! esta cidade precisa muito de árvores e de pessoas que se preocupem com o meio ambiente!!

  4. Linda disse:

    que trabalho bonito Ricardo!

  5. boa tarde
    Estou a procura de sementes que seus frutos servem para atrair passaros
    Se alguem tiver e esta disposto a contruir em proliferar a natureza, agradeço.

  6. malu disse:

    oi, ricardo,

    passei por aqui e gostaria de te mostrar uma semente que peguei hoje no Parque Villa Lobos e gostaria de te mandar a foto, quem sabe você me ajuda a saber o nome da árvore. A semente, um caroço de aprox. 4cm diâmetro, marrom clara, tem una cápsula revestida com espinhos molinhos de 1cm compr. anexa a essa cápsula, sai uma “folha” marrom de 17cm, dura, fina, como orelha de morcego comprida. tem várias dessas árvores no parque, algumas pessoas levam pra da semente fazer colar, outros parece que para saúde, mas não sei o que. Se puder te mandar a foto, me passe um e-mail. Obrigada!
    Malu

    • Ricardo Cardim disse:

      Malu,

      essa semente que vc descreveu (bem inclusive!) é da árvore nativa araribá, de grande beleza e tamanho, sendo madeira de lei. é uma árvore relativamente comum em SP.
      abs
      Ricardo

  7. estela disse:

    Meu querido ,eu estou a procura de uma linda arvore que ganhei de uma amiga ,mais naõ sabemos o nome ,nen a prosedencia . Ela e porte medio ,porque eu podo mais ja vi bem alta ela tem folhas roxa por dentro e verde por fora e suas flores saõ como um buque de cotonetes brancos ,que mais tarde em cada ponta abre uma florzinha rosa , como se foce uma esponja grande,e florese sempre ma primavera da tanta flor que chega quebrar os galhos e linda ,e amuda sempre perto do pe logo depois da florasão eu ja estou com mais de 10 arvores desta em meu jardim fora as que eu dei eforam muitas ,unico nome que me falaram e que se chama cotonete mais eu queria saber mais voce pode me ajudar , ainda teve pessoas que falam que ela e muuito rara .obigado

  8. estela disse:

    posso te mandar uma foto meu email e hasnashahira@globo.com

  9. Beth disse:

    Quando vejo um canteiro na rua sem árvore, tomo a inicialtiva de, junto com um colega, plantar alguma espécie adequada (sou bióloga) no local. As vezes é cansativo, pois temos que remover o resto do tronco da árvore morta. Atualmente tenho em vista um local, onde há um abacateiro morto (morreu com os frutos no galho). Só que desta vez vou procurar ajuda da sub-prefeitura. Espero que não seja muito demorado o atendimento deles.

  10. valdenir leal disse:

    muito importante ter pessoas que ainda nota que vivemos em meio à natureza pessoas assim sem perceber ajudam a reflorestar pois è nos site que busco imformaçao para identificar espcies nativas pois trabalho produzindo mudas nativas de arvores na regiao de araçatuba sp

    • Ricardo Cardim disse:

      Obrigado Valdenir!
      Abraços e parabéns pelo seu trabalho.
      Ricardo

  11. Luis disse:

    Produzo e comercializo algumas plantas nativas e dentre elas disponho de lobeira. Aliás, as sementes foram colhidas na região de Mogi das Cruzes – SP

    • Ricardo Cardim disse:

      Legal Luis, e você não teria de murici do campo? gostaria de comprar algumas mudas… Se quiser divulgar seu telefone/contato para nossos leitores, fique à vontade.

  12. Luuis disse:

    Ricardo, não tenho murici do campo, mas como tenho amigos viveiristas, vou verificar com eles e te aviso. Quanto ao telefone/contato, eu agradeço a oportunidade, mas a intenção é de participar, sem usar o espaço para propaganda. Obrigado

  13. Simoni de Miranda Lima disse:

    Será que o murici que você está tentando fazer germinar não é o mesmo que existe na amazônia? Os frutos são comestíveis, dá um excelente suco. Por lá ainda há bastante.

    • Ricardo Cardim disse:

      Simoni, esses são de espécie diferente e tb dão suco, mas dificil alguem fazer com esses…

  14. maria aparecida ventura disse:

    Ola, em um terreno ao lado de minha casa tem um pé de lobeira, às vezes acontece da semente germinar. Talvez possa te mandar umas frutas.
    Cida

    • Ricardo Cardim disse:

      Obrigado Maria! mas um leitor nosso já enviou algumas aqui da região de SP.
      abs

  15. Marcos Antonio Munhoz disse:

    Boa noite amigo. Sou do interior de São Paulo, Araraquara. Acabo de comprar uma pequena chácara que possui apenas um pé de pequi (que é muito valioso para mim), um ipê amarelo e outra árvore de cerrado que não sei o nome (dá um fruto arredondado, de cor marron, com sementes brancas como a jabuticaba). Já plantei mais de oitenta mudas, mas tenho muito interesse em colocar árvores de cerrado, difíceis de encontrar em lojas de plantas. você poderia dar-me sugestões de plantas e onde posso consegui-las? Obrigado e parabéns pela sua imprescindível colaboração com a natureza. Abç Marcos

    • Ricardo Cardim disse:

      Marcos, minha sugestão é comprar o livro ” especies do cerrado paulista” do Instituto Florestal – vale a pena. Para conseguir mudas é bem dificil, a ideia é obter sementes aí por perto e fazer suas próprias. O livro ajudará a identifica-las.

      abraço
      Ricardo

  16. Gustavo Schunemann disse:

    Boa tarde Sr. Ricardo!
    gostaria de poder lhe enviar algumas fotos de árvores que estamos catalogando dentre mais de 500 espécies da nossa praça( área verde no Bairro Jardim do Sol, Barão Geraldo, Campinas), que não conseguimos identificar nos nossos livros de consulta. Temos as fotos dos troncos, folhas e frutos, as vezes flores, porém não sabemos como catalogá-las. O Sr. teria uma idéia de como nos ajudar? E como poderíamos lhe enviar as fotos?
    Agradeceríamos muito pela ajuda!
    Obrigado, de antemão, Gustavo Schunemann

  17. Luis disse:

    Ao Sr. Marco Antonio Munhoz: Quanto ao pequi é necessário o casal para frutificação. Cada pé “macho” comporta o plantio de 6 pés de “femea”. Para saber qual voce tem, provavelmente um biólogo ou mesmo alguem experiente possa te dizer. Quanto á plantas de cerrado, há uma lista de especies nativas contidas na SMA 58 (08-08) da Secretaria do Meio Ambiente que classifica as espécies segundo seu bioma. Há um viveiro em Araraquara (na rodovia Whashington Luis) onde voce talvez possa encomendar a espécie escolhida

  18. Welington Cesar de Oliveira disse:

    PRECISO URGENTE DE SEMENTES OU MUDAS DE GUATAMBU QUEM SOUBER DE ALGO POR FAVOR ENTRE EM CONTADO 0(XX) 11 6416 8352

  19. Luis disse:

    Wellington C. Oliveira: Disponho de mudas de guatambu, de porte de 40 cm a 80 cm., acondicionadas em sacos plásticos de 01 litro. Rcmorgam@hotmail.com

  20. marcos disse:

    gostei, vocês me ajudaram no trabalho da escola.

  21. alzira disse:

    estive lendo comentários sobre o chicha do centro de são paulo e quero informar que aqui na granja julieta temos um espécime desta árvore que é imensa e ma-ra-vi-lho-sa vale a pena ver!

  22. vitor garcia de almeida disse:

    Maravilhoso projeto. Parabéns e boa sorte!

  23. madalena disse:

    quero adquirir mudas de cerejeira artesanal que flore no inverno, quem souber onde eu consigo,por favor me comunique. grata

  24. cardaddy disse:

    Your blog is actually great. Keep posting that way.

  25. Márcia Egydio disse:

    Sr. Ricardo,

    Estou surpresa e feliz com as iniciativas, estamos fazendo um trabalho Voluntariado Empresarial (Maratona Social), trabalhando com berçario, pré escola e ensino fundamental e inclusão social de deficiencia visual, nosso trabalho em conjunto visa a sustentabilidade, um dos itens será revitalização dos jardins da Instituição Associação Cívica Feminina (junto ao Parque da Água Branca), e pensamos em plantar plantas nativas do local, poderia nos indicar algumas e onde encontra-las, além de resgatar nossa história, proporcionariamos a cultura de convivência para estes estudantes e beneficiados e claro nos voluntários.

    Grata.

    Márcia Egydio
    Voluntaria
    Banco Bradesco S.A.
    (11) 3684 2026

    • Ricardo Cardim disse:

      Olá Márcia,

      Por favor consulter nossa lista na página “contato” deste blog..,

      abs e bom plantio!

  26. Luis disse:

    Márcia, boa tarde. Produzo e comercializo mudas de árvores nativas e ornamentais na região de Mogi das Cruzes. Caso queira conversar, meu email é: rcmorgam@hotmail.com – Luis

  27. Elton Jesus do Amaral disse:

    Eu tenho sementes do jatobá aqui citado.
    elton1956@yahoo.com.br

    Vejam fotos de pássaros, insetos, borboletas e cidades no http://www.facebook.com/elton1956

  28. Amo tb as árvores e compartilho com vc todo o conteúdo. abçu!

  29. Fábio Frascá Rodrigues disse:

    Sou fã do seu trabalho q acompanho há anos. Renovo meus cumprimentos e estou à disposição p/ ajudar de alguma forma. Sou fanático por árvores e rios. Tenho conhecimento de alguns exemplares matrizes de árvores importantes, pois viajo bastante e faço questão de fazer contato c/ a natureza. Tenho algumas mudas p/ doação e sementes. Abraço !

    • Ricardo Cardim disse:

      Olá André,

      Muito obrigado por apreciar o trabalho e por sua disposição! Com certeza não faltarão leitores lhe pedindo mudas…

      abraços!

  30. André Caretta disse:

    Olá Ricardo, parabéns pelo trabalho. Atualmente adquiri um terreno no bairro Casa Verde de aproximadamente 3.000 M² com água de mina disponível. Estou produzindo algumas espécies de frutíferas nativas e caso tenha interesse podemos fazer alguma parceria nessa missão tão nobre de recuperarmos parte de nossa flora. Estou no seu Face.
    Grande abraço!
    Andre Caretta

    • Ricardo Cardim disse:

      Olá André,

      Parabéns por ter um terreno tão raro assim em SP. Se quiser alguma muda de árvore nativa de SP podemos combinar de pegar no meu viveirinho na USP.

      abraços,
      Ricardo

  31. Onaicullssön disse:

    Ognamaruuk tuareg nopak! Debuki nobushö ian stoaam.
    Namastë pröhs seich!

  32. oi ricardo como posso mandar uma foto de arvore para identificar?

  33. Selma disse:

    Prezado Ricardo, muito legal sua iniciativa e prestatividade em ajudar. Sou amante das árvores, porém não sou grande conhecedora. Tenho uma casa na praia, e lá tenho várias árvores. Uma delas dá muitas mudas todos os anos. Eu acho que é jerivá, mas não tenho certeza. Ela é alta, tem folhas como de palmeira, e dá cachos de frutinhos que quando estão nos cachos são verdes. Minha cachorra adora comer os frutinhos quando caem. Estou com um monte de mudinhas, será que posso trazer para São Paulo? Será que alguém aceita doação?

  34. Selma disse:

    Estranho, eu achava que tinha feito um comentário aqui… enfim. Achei a iniciativa do blog fantástica, parabéns. Será que alguém poderia me ajudar a identificar uma árvore? É do tipo palmeira, e tem uns cachos de frutinhos pequenos, que quando maduros ficam meio escuros. Eu estava pensando no jerivá, mas vi uma muda em um site, e é bem diferente das mudas que brotam dos frutinhos… tenho essa árvore no litoral, e todo ano crescem muitas mudinhas. Eu queria saber se posso trazer para Sao Paulo, e onde aceitaria doação, porque tem um monte de mudas, e eu não tenho onde plantar, e fico com dó…

  35. batista alves ferraz disse:

    gostaria de comprar sementes de guatambu, para plantar em rio grande do sul
    como faço pra conseguir, será que tem aqui pra vender?
    agradeço
    51 33642201 92480565

  36. Paulo Ribeiro Bueno disse:

    Parabéns , conheço pouco do seu trabalho mais gostaria em breve de conhecer mais.Trabalho com ornamentais a mais de 25 anos e a 5 comecei a trabalhar com árvores. Estou a disposição para trocar informações.

  37. Olá Edson…vc não teria umas sementes de cambucá para trocar…preciso ter uma carga genética diferente,,,tenho sementes da grumixama-amarela…

  38. Tenho um sitio na regiâo de Piedade SP que é um verdadeiro paraiso, Uma boa parte do sítio é de mata nativa que eu e meu marido amamos. Nestes últimos 6 anos plantei muitas palmeiras e árvores. Meu marido montou uma estufa e estou produzindo mudas de flores ornamentais e agora gostaria de fazer alguns cursos para me capacitar , pois pretendo montar um viveiro de mudas de árvores nativas para arborização e reflorestamento.
    Sou vice presidente de uma instituição que atende diariamente crianças carentes e estou iniciando um trabalho de arborizaçâo do local e gostaria de fazer um trabalho com as crianças. Aguardo idéias, sugestões, etc…

  39. Fany Huet de Froberville disse:

    Olá,
    Acabei de encontrar esse site, fiquei feliz com o que vi, um trabalho legal e bonito..
    Eu moro num sítio em Embu Guaçu e estou procurando sementes de árvores nativas para fazer mudas, como tenho espaço o suficiente para isso, quero aproveitar.
    Vocês sabem me dizer como posso conseguir essas sementes ou mudas???
    Obrigada
    Fany

    • Oi Fany,
      Moro pertinho da Flona de Ipanema em Araçoiaba da Serra (SP) e mantenho contato semanal c/ o pessoal do viveiro de mudas e sementes lá, além de eu mesmo ter algumas mudas. Se vc se interessar, me escreva no fabio@bioexp.com.br que a gente combina, ok ?
      Abç

  40. Miguel Furtado disse:

    Muito maneiro seu site. Parabéns pelo trabalho. Espero que as pessoas se liguem e passem a respeitar e a fazer uso das plantas nativas não só de São Paulo, mas de todo o paíz.

  41. Olá Ricardo! Parabéns pela iniciativa do site….. Gostaria de saber como faço para ter sementes do chichá como o que está plantado no Largo do Arouche. É admirável a árvore!

  42. Carlos Adonias disse:

    O cerrado do entorno de Brasília ainda conserva muitos exemplares da Lobeira, fruta bastante apreciada pelo Lobo-guará. Vasculhando a web para conhecer mais sobre a planta foi que vim dar neste site maravilhoso e educativo. Parabéns, Ricardo!

Os comentários estão desativados.