Exposição no Museu da Casa Brasileira conta o passado natural do Rio Pinheiros e seus arredores

 Nesse sábado 29, às 11 hs, será inaugurada a exposição “A Casa e a Cidade  Coleção Crespi – Prado” no Museu da Casa Brasileira. Através de amplas pesquisas, apresentamos na exposição o território e a biodiversidade ancestral da região onde está inserido o Museu.

Os destaques ficam por conta de uma rara fotografia de 1933 mostrando o Rio Pinheiros em sua forma original, com curvas e florestas, outras diversas fotos antigas e textos com a vegetação original e a urbanização. Um desenho recria a paisagem de São Paulo antes da colonização européia, quando era somente natureza.

Museu da Casa Brasileira – Av. Brigadeiro Faria Lima, 2075, Jardim Europa.

About these ads

Sobre Ricardo Cardim

www.arvoresdesaopaulo.com.br
Esse post foi publicado em bairro de Pinheiros, Biodiversidade paulistana, Botânica, curiosidades do verde paulistano, São Paulo e marcado , , , , , , . Guardar link permanente.

2 respostas para Exposição no Museu da Casa Brasileira conta o passado natural do Rio Pinheiros e seus arredores

  1. Caro Ricardo: só podemos lamentar que as várzeas de São Paulo tenham sido destruídas tão recentemente (e continuem a ser eliminadas), quando a vegetação ao longo de rios e córregos é protegida pela legislação federal. Todas essas “avenidas sanitárias” (avenidas marginais) são ilegais”, promovidas “na marra”, demagogicamente! Poderíamos ter, hoje, o “Parque Ecológico do Tietê” enormemente ampliado, unido aos brejos do Butantan (hoje ocupados pela USP), às matas da USP e a outros tratos de mata e cerrado há pouco destruídos. É sempre a capital paulista a liderar e incentivar a destruição da natureza nas cidades. Vamos nos unir, com apoio dos Ministérios Públicos, para salvar o pouco que restou. Celso do Lago Paiva, Diretor de Conservação, Instituto Pró-Endêmicas, http://br.groups.yahoo.com/group/proendemicas/, instituto_proendemicas@hotmail.com.

    • Olá Celso, realmente, São Paulo no último século asfaltou praticamente todas as suas várzeas. A biodiversidade nativa paulistana hoje pode ser considerada “relíquia”.

      Fico à disposição,

      Abraço

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s