Como saber se o cambuci está maduro?

Frutos imaturos e prontos para consumo do cambuci – difícil diferenciar.

A árvore que é símbolo da cidade de São Paulo, o cambuci (Campomanesia phaea), amadurece seus perfumados frutos no final do verão e começo do outono – justamente nessa época. Mas como sua coloração esverdeada se mantém quase imutável entre os frutos imaturos e os prontos para o consumo, fica difícil saber a hora certa.

Nos antigos relatos dos paulistanos, o momento da colheita era quando após as últimas chuvas de verão, geralmente no fim da tarde, o chão em volta da árvore ficava repleto de frutos maduros que “choviam” dos seus galhos. Outra possibilidade é observar as “quinas” do fruto. Quando está maduro, elas ficam inchadas e moles, enquanto na imatura é estreita e firme.

Infelizmente, raríssimos são os locais com cambucizeiros adultos na metrópole. Em áreas públicas conheço três exemplares – Largo do Cambuci (Bairro do Cambuci), Jardim Botânico de São Paulo e na Cidade Universitária da USP – de onde vieram os frutos das fotos. De sabor levemente azedo, o cambuci é ótimo para receitas doces e salgadas, além de excelente para curtir cachaça, um uso muito querido no passado.

Suas sementes não são fáceis de germinar, mas vamos tentar com a colheita desse ano. Para os amigos das árvores, hoje suas mudas são encontradas em grandes lojas de jardinagem e no CEAGESP, e plantá-las ajuda a reequilibrar nosso meio ambiente urbano e resgatar a cultura, biodiversidade e história paulistana.

Na esquerda o fruto imaturo, com suas quinas estreitas, diferentes do maduro, com elas bem inchadas.

 

Ricardo Cardim

About these ads

Sobre Ricardo Cardim

www.arvoresdesaopaulo.com.br
Esse post foi publicado em Árvores de São Paulo, Árvores históricas de São Paulo, árvores frutíferas, árvores nativas e marcado , , , , , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

13 respostas para Como saber se o cambuci está maduro?

  1. dalva disse:

    Legal! Salvo engano, mas lamentavelmente não vejo cambucis no Largo do Cambuci, só umas árvores nada a ver…

    • Ricardo Cardim disse:

      Oi Dalva,

      ainda tem um, bem perto do fim da praça, em um canteiro… mas também nunca o vi carregado de frutos. O pessoal do bairro parece que tem plantado outros por ali. Perto da igreja tem umas mudas meio sofridas…

  2. Adelina disse:

    O mais interessante Sr. Cardim, é que mesmo tendo vivido e crescido na cidade de S.Paulo, conhecido bairros e praças tradicionais da cidade, ainda nao conheça os frutos do cambuci, sequer seu sabor, que dira qto a época certa da colheita! O que só reforça que por mais que se tenha vivido, sempre se tem o que aprender, seja com os mais jovens como vc, seja com os mais idosos, como o cambuci! …rs. Legal isso, ne! Fico muito grata por suas informações!

    • Ricardo Cardim disse:

      Olá Adelina, é verdade! o cambuci é tão raro hoje que poucos o conhecem. Torná-lo mais acessível é a nossa luta por aqui, e bom poder contar com o apoio de pessoas como você!
      abraços
      Ricardo

  3. Dina Beck disse:

    Fazendo uma pesquisa sobre cambuci no Google, caí no seu site “árvores de são paulo” e me deliciei… Eu moro na cidadezinha de Tapiraí, no topo da Serra do Mar (descendo, chega-se a Juquiá e Registro). Trabalho para a prefeitura e, na verdade, moro num sítio, dez quilômetros serra abaixo. É lá que tenho dois ou três pés de cambuci que os “capiaus” daqui me pedem doações encarecidamente. Mas é tanto fruto, que resolvi fazer a pesquisa para saber mais sobre o assunto.

    E daí, passeando por seu site, me lembrei que, aqui, o palmito juçara (que, por sinal, vc escreve “jussara” – por que, hein?) só não tem mais por falta de espaço e por conta dos palmiteiros.
    Há tempos fico pensando se não haveria uma forma de se arregimentar esses palmiteiros e “regularizar” a extração de palmito. Ela existe, é um fato, apesar da proibição. Se se pudessse “conscientizá-los” de alguma forma, que essa extração não fosse tão devastadora, quem sabe eles mesmos não se fiscalizassem a si próprios e colaborassem em um projeto. Porque, nos meus 8 alqueires, TODO dia tem palmitinho novo. Eles chegam a derrubar árvores com 3 ou 4 anos – uma lástima. Como fazê-los reconhecer qual planta já está boa de se cortar e qual nunca se deve cortar – como aquelas que já dão os “coquinhos” (com o perdão do meu palavreado inculto) e os tucanos vêm aos bandos se deliciar.

    Você acha que isso seria plausível? Tem um projeto semelhante com o látex no Acre, cuja implantação tinha, entre seus propositores, o Chico Mendes.

    Enfim: isso é factível? Quem eu poderia procurar?

    Obrigada por sua atenção,

    Dina Beck

    • Ricardo Cardim disse:

      Dina, sim, existem projetos como esse, sugiro procurar o pessoal da SOS Mata Atlântica, que também trabalham com isso. O jussara com dois “s” é uma grafia mais antiga, mas ainda válida como nome popular… Muito obrigado pelo força, e desejo-lhe boa sorte na empreitada de salvar os tão importantes palmitos! E continue nesse belo trabalho de disseminação do nosso ameaçado cambuci.

      abs
      Ricardo

  4. Vivian disse:

    Em que lugar da Cidade Universitária?

    • Ricardo Cardim disse:

      Perto da rotatória em frente a reserva de mata atlântica da USP, na saída de pedestres

  5. Uli disse:

    Em Paranapiacaba, uma vila inglesa que hoje é distrito de Santo André, vende-se o licor, a geléia, e alguns pratos e lanches com cambuci. Tem até uma festa do cambuci que acontece acho que em abril.

  6. Uli disse:

    Achei o link da festa:
    http://www.guiaparanapiacaba.com.br/?pg=noticia&id=607

    Quem nunca visitou vale a pena ir nessa vila, é muito bonita, parece que se está em outro lugar em outra época. Tem o trem turístico, mas também dá pra pegar o comum ir até a última estação e pegar um bus.
    Outra festa que vale a pena é o fetival de inverno, neste ano ainda não saiu a programação, mas vou passar o link de um passado:

    http://www.fip2010.com.br/

  7. Jonaldo Barbosa de Souza disse:

    Olá pessoal, meu nome é Jonaldo Barbosa e eu tenho um pé de Cambuci aqui na minha casa em Arujá sp e todo ano da muitos frutos, nos ensinarão que só esta maduro os frutos que caem no chão naturalmente e eu ate distribuo para meus vizinhos e mesmo assim perde muitos frutos eu costumo dizer que a arvore vele mais do que toda a propriedade.

  8. dinato disse:

    Amigo, gostaria de coletar alguns frutos na Cidade Universitária para aproveitar as sementes e tentar plantar umas mudas em meu pequeno sítio. Você saberia me dizer em qual local da Cidade Universitária você encontrou essas árvores?
    Obrigado!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s